COLUNA JC SAÚDE E BEM-ESTAR

Coronavírus: já são 25 mortes e 1.546 casos no Brasil

Informações estão atualizadas, pelo Ministério da Saúde, até as 16h deste domingo (22). As mortes estão em São Paulo e no Rio de Janeiro

Cinthya Leite
Cinthya Leite
Publicado em 22/03/2020 às 17:11
Notícia
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL
Wanderson Oliveira está em Pernambuco para ajudar a Secretaria Estadual de Saúde na análise dos casos e perfil da pandemia do novo coronavírus - FOTO: MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL
Leitura:

Subiu para 1.546 o número de casos confirmados de coronavírus no Brasil, de acordo com as informações repassadas pelos estados ao Ministério da Saúde (MS) neste domingo (22). Até o momento, 25 mortes estão confirmadas, concentradas no Estado de São Paulo e no Rio de Janeiro.

Nas últimas 24 horas, Pernambuco registrou quatro novos casos confirmados, sendo três no Recife e um em Olinda. Agora, são 37 confirmações, três casos prováveis e 310 casos em investigação. Outros 375 já foram examinados e descartados pelos médicos. Desde a quinta-feira (19), Pernambuco também já registrou três casos de cura clínica, pessoas que já conseguiram debelar a infecção viral e ficaram em condições de receber alta. Os dados são do governo estadual e atualizados neste domingo (22). 

Leia também: Coronavírus adoece a economia no Brasil e no mundo

Na última sexta-feira (20), o Ministério da Saúde reconheceu a transmissão comunitária do coronavírus em todo o País. É fato que nem todas as regiões apresentam o mesmo nível de transmissão. Nem por isso, a população dessas regiões deixarão de participar do esforço coletivo que passa a ser adotado pelos brasileiros. Assim, a medida é uma estratégia para que todo o Brasil se una contra o vírus.

O secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo, assegura que, se a população se unir na adoção das medidas de prevenção e distanciamento social, será possível diminuir a velocidade de transmissão da doença no País. “Neste fim de semana vamos mostrar que cada um de nós pode fazer a sua parte. A velocidade do número de internações e óbitos está nas nossas mãos. Quando são adotadas as medidas recomendadas, há proteção individual e de parentes com mais idade, além do próximo. Esta é uma fase, e esperamos atravessá-la em pouco tempo, com a ajuda de todos”, destacou.

Comentários

Últimas notícias