COLUNA JC SAÚDE E BEM-ESTAR

Reino Unido volta a ter mais de 50 mil casos diários de covid-19 após três meses

A pandemia, desaparecida por semanas nas notícias e conversas, está de volta na agenda do Reino Unido

AFP
Cadastrado por
AFP
Publicado em 21/10/2021 às 16:56 | Atualizado em 21/10/2021 às 17:03
ANDREW CABALLERO-REYNOLDS/AFP
Variantes - FOTO: ANDREW CABALLERO-REYNOLDS/AFP
Leitura:

O Reino Unido registrou, nesta quinta-feira (21), mais de 50 mil novos casos de covid-19 pela primeira vez desde meados de julho, confirmando a deterioração da situação sanitária, em meio a crescentes apelos para reimpor restrições como o uso de máscaras em ambientes fechados. A pandemia, desaparecida por semanas nas notícias e conversas, está de volta na agenda do Reino Unido.

Leia também: 

Menino de 3 anos tem confirmação de síndrome rara associada à covid-19

Já podemos relaxar no uso da máscara como item de proteção contra covid-19? Infectologista responde

Brasil registra menor média móvel de mortes desde o início da pandemia de covid-19

O país tem uma das taxas de infecção mais altas do mundo, igualando os níveis da onda do inverno passado, que levou a um confinamento de quatro meses. 

As hospitalizações e mortes ainda são muito menores, mas estão aumentando. O número de novos casos diários subiu para 52.009 nesta quinta-feira (21) e o número de mortos para 115, levando a 139.146 óbitos desde o início da pandemia em um país com 66 milhões de habitantes.

O governo admitiu, na quarta-feira (20), que 100 mil casos diários poderiam ser alcançados em breve, mas se recusou a reimpor algumas das restrições levantadas em julho, insistindo que os jovens se vacinem e aqueles com mais de 50 anos recebam uma terceira dose de reforço.

"Os números de infecção são altos, mas estamos dentro dos parâmetros esperados", disse o primeiro-ministro Boris Johnson na quinta-feira (21). À medida que a situação se agrava, aumentam os apelos para que o governo lance o seu "plano B", que inclui o retorno das máscaras e do teletrabalho e a eventual imposição de passaportes de vacinação em alguns locais.

A Associação Médica Britânica acusou o governo de "negligência intencional", chamando a situação atual de "insustentável" e apelando a uma ação imediata. Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte, que têm competências em saúde, continuam a impor o uso de máscaras em ambientes internos.

A política superliberal do governo Johnson é uma das hipóteses levantadas por alguns cientistas para explicar a atual deterioração. Outros fatores citados são a baixa vacinação entre os menores e a lentidão da campanha de reforço para quem foi vacinado há mais de seis meses e vê sua imunidade diminuir.

Últimas notícias