COLUNA JC SAÚDE E BEM-ESTAR

Covid-19: "Vacinação das crianças infelizmente será a conta-gotas", diz secretário de Saúde de Pernambuco

Em entrevista, André Longo destaca que, assim como ocorreu no início da campanha de imunização contra a covid-19, em janeiro de 2021, as doses para o público infantil chegarão de forma limitada

Cinthya Leite
Cinthya Leite
Publicado em 16/01/2022 às 17:33
MIVA FILHO/SES
"Não vai dar para fazer uma campanha de vacinação muito ampla e rápida (para as crianças), como deveríamos", diz André Longo - FOTO: MIVA FILHO/SES
Leitura:

Conversei com o secretário de Saúde de Pernambuco, André Longo, sobre o 1º ano da campanha de vacinação contra covid-19 e os desafios para os próximos dias. “Vamos continuar trabalhando para sensibilizar as pessoas em atraso com as doses”, diz Longo.

JC — Como o senhor avalia o primeiro ano de campanha de vacinação contra covid-19 no Estado?
ANDRÉ LONGO — Aplicamos mais de 15 milhões de doses de vacinas neste período. Obviamente que, no início, sofríamos com a quantidade que era bastante aquém daquilo que era a nossa capacidade de vacinar. E sofremos com a falta de coordenação nacional e de um discurso uníssono em defesa da vacina, especialmente por parte do governo federal, que titubeou em vários momentos. Isso gerou uma mensagem que a gente acredita ser inadequada para a população. Esse cenário contribuiu para que não conseguíssemos atingir patamares melhores de vacinação. O Programa Nacional de Imunizações é um exemplo para o mundo, mas a gente chega a um ano (de campanha) com a sensação de que poderia ter sido melhor se tivéssemos mais apoio do governo federal e um comandante que não falasse contra a vacinação.

JC — A vacinação das crianças começa apenas um mês após a Anvisa ter autorizado a aplicação da Pfizer nesse público. Como esse impasse, provocado pelo governo federal, pode afetar a proteção desse público?
ANDRÉ LONGO — Esse retardo de 30 dias pode fazer a diferença para algumas crianças. Sabemos que, em alguns países, a ômicron tem levado mais crianças à internação. Nos Estados Unidos, as hospitalizações desse grupo aumentaram muito com a chegada dessa variante, que já predomina em Pernambuco. Então, essa perda de tempo (para iniciar a imunização infantil) pode ser decisiva para algumas crianças. O ideal seria chegar ao momento de reinício das aulas com todas as crianças protegidas. Mas, assim como ocorreu há um ano, a vacinação infantil infelizmente vai ser a conta-gotas, com a mesma dificuldade que a gente teve lá atrás. As crianças vão padecer agora com a chegada de doses limitadas, a cada semana. Não vai dar para vacinar, fazer uma campanha de vacinação muito ampla e rápida, como deveríamos.

JC — Qual desafio atual?
ANDRÉ LONGO — Estamos preocupados com a quantidade de pessoas vulneráveis (sem o esquema
completo de vacinação). Com o Vacina Mais Pernambuco, estamos indo de casa em casa. Na Mata Sul, região onde havia um vazio (de vacinados) mais expressivo, partimos para a ação. O trabalho tem dado frutos: já vacinamos mais de 10 mil pessoas nessa área. São pernambucanos que deixaram de ser vulneráveis. Mas não paramos. Vamos continuar trabalhando para sensibilizar as pessoas em atraso com as doses.

Comentários

Últimas notícias