CINEMA

Primeira sala de exibição do Bairro do Recife, Cinema do Porto abre as portas em dezembro

O equipamento público, que será administrado pela Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj) em uma parceria com o Porto Digital, funcionará no 16º andar do Edifício Vasco Rodrigues

Bruno Vinicius
Bruno Vinicius
Publicado em 24/11/2021 às 14:22
Notícia
PORTO DIGITAL/DIVULGAÇÃO
SALA DE CINEMA DO PORTO DIGITAL PASSA A SER ADMINISTRADA PELA FUNDAJ - FOTO: PORTO DIGITAL/DIVULGAÇÃO
Leitura:

Embora seja um dos locais centrais para a movimentação cultural da Cidade, o Bairro do Recife nunca teve uma sala de cinema exclusiva em sua história. O cenário mudará, a partir de 19 de dezembro, com a inauguração do Cinema do Porto. O equipamento público, que será administrado pela Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj) em uma parceria com o Porto Digital, funcionará no 16º andar do Edifício Vasco Rodrigues - antiga sede do Banco do Estado de Pernambuco (Bandepe), no Cais do Apolo. A sala conta com 138 lugares, em 511 m² de espaço e telão de 7x3 metros.

A sala de exibição já havia sido anunciada no ano passado. Em uma coletiva de imprensa, os presidentes das instituições, Pierre Lucena (Porto Digital) e Antônio Campos (Fundaj), informaram os investimentos de R$ 1,3 milhão nas obras de reforma do local e mais R$ 500 mil nos equipamentos.  O Cinema do Porto possui um telão de 7x3 metros, projetor da marca Christie modelo CP 2208 e som Dolby 7.1.

"Há um ano, a Fundaj teve a honra de embarcar no Porto Digital. Nós sabemos da vocação empreendida pela modernização desta ilha e pretendemos contribuir ainda mais com a vida social e cultura do Bairro do Recife", declarou o presidente da Fundaj, Antônio Campos. "A nossa instituição está comprometida há mais de 70 anos com a pesquisa, a cultura e o conhecimento. Agora, também, com a tecnologia", disse o presidente da fundação, que administra outros dois cinemas, sendo um no Derby e outro no Museu do Homem do Nordeste, em Casa Forte.

PÚBLICO-ALVO

Pierre Lucena afirmou que o cinema terá como público-alvo os trabalhadores do bairro, que em sua maioria se dedica à tecnologia, além dos transeuntes dos finais de semana. "Tínhamos dois grandes objetivos: atender às 48 mil pessoas que trabalham no Bairro do Recife, mas, também, aquelas que vem aos fins de semana. O Recife Antigo é o bairro no coração de todo recifense. Estamos felizes de entregar isso para a população", disse.

 

Comentários

Últimas notícias