segurança

Usa cartão por aproximação? Entenda como pode ser vítima de golpe

Nas transações por aproximação é preciso que haja uma distância de 4 cm entre o cartão e a máquina que irá debitar o valor

JC
JC
Publicado em 24/08/2021 às 14:59
Notícia
Marcello Casal Jr/Agência Brasil
O limite máximo para pagamento sem senha é de R$ 200 - FOTO: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Leitura:

Com informações de O Tempo

Apesar da praticidade, o pagamento por aproximação pode ser motivo de preocupação. Isso porque, a facilidade também atrai fraudes. Relatos de pessoas que estavam com o cartão no bolso apontam que, sem que elas percebessem, golpistas passaram próximo com uma máquina e debitaram valores financeiros. 

De acordo com o Banco Central, não existem normas específicas para essa modalidade de pagamento. Nas transações por aproximação é preciso que haja uma distância de 4 cm entre o cartão e a máquina que irá debitar o valor. O limite máximo para pagamento sem senha é de R$ 200.

No primeiro semestre deste ano, o número de transações na modalidade aumentou mais de cinco vezes em relação aos seis primeiros meses de 2020. Dados da Associação Brasileira das Empresas de Cartão de Crédito e de Serviços (Abecs) apontam que os pagamentos por aproximação no país, em 2021, somam mais de R$ 53 bilhões, que corresponde a um crescimento de 540,7% em relação aos R$ 8,3 bilhões registrados no primeiro semestre de 2020.

No último mês de junho, houve 112 milhões de transações no Brasil, número sete vezes maior do que no mesmo mês do ano passado, ainda de acordo com a entidade. O pagamento por aproximação já vem habilitada automaticamente em quase todos os cartões, portanto, o consumidor que quiser desabilitá-la precisará entrar em contato com a sua instituição financeira.

Apesar do perigo, a Abecs afirmou ao O Tempo que não há registro de fraudes ou aumento nas reclamações de pagamento por aproximação. Além disso, a entidade disse que, em geral, os emissores enviam material informativo com o cartão e que todas as transações são monitoradas em tempo real pelas empresas.

Comentários

Últimas notícias