BENEFÍCIO

PT vai ao STF contra extinção do Bolsa Família pelo governo Bolsonaro

Segundo a presidente nacional do partido, Gleisi Hoffmann, a petição deve ser encaminhada à Corte na próxima semana

Estadão Conteúdo
Cadastrado por
Estadão Conteúdo
Publicado em 17/11/2021 às 21:02 | Atualizado em 17/11/2021 às 21:04
RAFAEL LAMPERT ZART/ASCOM/MDSA
Bolsa Família teve a última parcela paga em outubro, sendo substituído pelo Auxílio Brasil - FOTO: RAFAEL LAMPERT ZART/ASCOM/MDSA
Leitura:

O Partido dos Trabalhadores (PT) anunciou nesta quarta-feira (17) que vai ingressar com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) contra a extinção do programa Bolsa Família pelo governo Bolsonaro.

Segundo a presidente nacional do partido, Gleisi Hoffmann, a petição deve ser encaminhada à Corte na próxima semana. A sigla ainda avalia quais medidas serão pedidas na ação.

"O fim desse programa sem um programa estruturado em seu lugar, com regras claras, coloca a população em um estado de maior vulnerabilidade. Seria com base na Constituição", declarou Gleisi durante entrevista coletiva no Salão Verde da Câmara, ao lado de correligionários.

O líder do PT na Câmara, Bohn Gass (PT-RS), disse que, dos 39,3 milhões de beneficiários do Auxílio Emergencial, o número caiu para 14,5 milhões com o Auxílio Brasil - pelas contas dos petistas, 24,8 milhões de pessoas ficaram sem nenhuma renda. "São milhões de pessoas que vão engrossar a fila do osso nos açougues, num momento em que os preços dos alimentos disparam, a inflação é alta, os salários estão congelados e o desemprego atinge milhões de pessoas", disse.

O Bolsa Família teve a última parcela paga em 29 de outubro, sendo substituído pelo Auxílio Brasil. O novo programa, no entanto, foi instituído por Medida Provisória, ainda não aprovada pelo Congresso. Segundo o presidente Jair Bolsonaro, o piso do benefício será de R$ 400.

Mas, para isso, é necessária aprovação da PEC dos Precatórios pelo Senado, que abriria espaço no teto de gastos para pagamento do valor. No entanto, só haveria recursos para manter os R$ 400 até o fim de 2022, ano da eleição presidencial.

Comentários

Últimas notícias