Aviação

Com suspensão de voos da Itapemirim, 40 mil passageiros podem sair prejudicados no fim do ano

Só neste final de semana, depois do anúncio de suspensão na última sexta-feira (17), estima-se que 8 mil passageiros foram prejudicados com o cancelamento dos voos

Agência Brasil
Estadão Conteúdo
Luisa Farias
Publicado em 19/12/2021 às 11:07
Fernando Frazão/Agência Brasil
Passageiro pode pagar até três vezes mais que outro para despachar mala idêntica - FOTO: Fernando Frazão/Agência Brasil
Leitura:

A suspensão das operações da Itapemirim Transportes Aéreos (ITA) trará efeitos negativos a curto e longo prazo para os seus clientes. Segundo a coluna de Lauro Jardim, do Globo, a estimativa das operadoras de turismo é de que 40 mil passageiros podem não conseguir viajar por conta disso até o dia 2 de janeiro. 

Só neste final de semana, depois do anúncio de suspensão na última sexta-feira (17), estima-se que 8 mil passageiros foram prejudicados. A companhia alegou em nota que precisaria passar por uma "reestruturação interna", após pouco mais de cinco meses de operações. 

De acordo com o Sistema de Registro de Operações (Siros) da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), entre a noite da última sexta (17) e o dia 31 de dezembro, eram 514 voos programados. Considerando a capacidade das aeronaves para de 162 assentos, são mais de 80 mil passageiros que não vão viajar pela companhia. 

O clima nos aeroportos era de revolta e frustração. Os passageiros tiveram dificuldades para encontrar outros voos nas datas previstas, sem contar com a dificuldade financeira para arcar com as novas passagens. 

O problema é que as demais companhias aéreas em operação (Gol, Latam e Azul) estão com voos lotados em virtude das festividades de fim de ano, e não têm como absorver a demanda reprimida da Itapemirim. 

A companhia orientou os passageiros a entrar em contato pelo e-mail falecomaita@voeita.com.br para remarcar passagens programadas para os próximos dias. 

A ITA é alvo de uma série de denúncias de atraso no pagamento dos funcionários. O Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA) chegou a entrar com uma ação coletiva na Justiça em novembro pedindo a regularização do recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e do pagamento de salários atrasados, diárias de alimentação e vale-alimentação. 

Anac

A Anac intimou a ITA a prestar assistência aos seus clientes e exigiu informações sobre as providências previstas para honrar os bilhetes vendidos e reacomodar os passageiros.

Em nota, a Anac reiterou que a responsabilidade de reacomodar os passageiros em outros voos é da ITA e que os clientes não devem ir aos aeroportos antes de confirmarem a realocação em outro voo.

"A Agência orientou a priorização da reacomodação dos menores desacompanhados e os passageiros com necessidade especial, que estavam em processo de deslocamento na noite de sexta-feira (17/12) e na manhã deste sábado (18/12). O compromisso do setor é o de contribuir para a superação do transtorno e reduzir os prejuízos causados aos passageiros pela empresa ITA", diz nota. 

A agência lembrou que o cumprimento das exigências pela empresa não a isenta de outras responsabilidades civis, administrativas e penais decorrentes da suspensão abrupta das atividades e crimes associados às relações de consumo.

Em resposta à determinação, a ITA disse que está atuando para reacomodar os passageiros em voos de outras companhias. A prioridade é para passageiros que estão fora de sua cidade de domicílio e precisam voltar para casa. Os demais clientes, com passagens de ida e volta compradas e que estão em suas cidades, serão reembolsados com o total do valor pago. Segundo a ITA, havia 30 voos programados apenas para este sábado.

No sábado (19), foi divulgada uma nova nota informando que o Grupo Itapemirim intensificou a comunicação com os passageiros. A companhia afirma que o serviço de atendimento telefônico pelo número 0800 723 2121 e pelo chat do site foram restabelecidos, com horário de atendimento das 6h às 21h. Além disso, o passageiro pode enviar um e-mail para alecomaita@voeita.com.br.

Comentários

Últimas notícias