pandemia na espanha

Messi e Suárez comunicam redução de 70% dos salários do elenco do Barcelona

Jogadores do Barcelona divulgaram comunicado em nome de todo elenco. Documento diz que acordo foi de redução de 70% dos salários, mas contribuição para ajudar funcionários do clube

Gabriela Máxima
Gabriela Máxima
Publicado em 30/03/2020 às 9:57
Notícia
Foto: Jorge Guerrero/AFP
A iniciativa visa arrecadar fundos para o combate ao coronavírus - FOTO: Foto: Jorge Guerrero/AFP
Leitura:

Quatro dias depois do anúncio de redução salarial por parte do Barcelona, Lionel Messi e Luis Suárez usaram as redes sociais para divulgar comunicado feito pelos jogadores sobre a redução dos salários em 70% por conta dos efeitos da pandemia do coronavírus. A medida foi tomada pelo clube catalão na semana passada e deve permanecer durante o período de estado de emergência enfrentado pela Espanha, um dos países com maior número de casos de Covid-19. 

"Antes de tudo, queremos esclarecer que nossa vontade sempre foi aplicar a redução de salários porque percebemos que se trata de uma situação excepcional e somos os primeiros que sempre ajudamos o clube quando é pedido. Muitas vezes também que temos feito por iniciativa própria, em outros momentos que acreditamos que era necessário e importante", diz trecho do comunicado. 

>> Barcelona anuncia redução de salários por conta do coronavírus

>> Caso coronavírus deixe sequelas, corpo do atleta pode se adaptar

O documento esclarece que a demora em anunciar a redução salarial aconteceu porque atletas e clube estavam analisando as melhores condições para todos, além de garantir contribuição para que os funcionários não sejam prejudicados.

"Se o acordo demorou dias é porque estávamos procurar uma forma de ajudar o clube e os trabalhadores nesses momentos tão difíceis. Por nossa parte, chegou o momento de anunciar que reduzimos nosso salário em 70% durante o período de suspensão do futebol", explicou a nota oficial, que segue. "Vamos fazer contribuições para permitir que os funcionários do clube recebam 100% dos seus pagamentos".

 

Comentários

Últimas notícias