Copa do Mundo

EUA acusam Ricardo Teixeira de receber suborno para votar no Catar

Selos de confidencialidade da investigação contra o ex-presidente da CBF foram retirados, mas o valor que o dirigente teria recebido não foi revelado

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 07/04/2020 às 10:27
Notícia
Reprodução de TV/CNN
Ex-presidente da CBF Ricardo Teixeira mora atualmente nos Estados Unidos e é acusado em vários escândalos de corrupção - FOTO: Reprodução de TV/CNN
Leitura:

Promotores dos Estados Unidos revelaram ontem novos detalhes do suposto pagamento de suborno a membros do Comitê Executivo da Fifa, incluindo Ricardo Teixeira, em troca de votos para designar o Catar como sede da Copa do Mundo de 2022. Além disso, acusou um casal de ex-executivos da 21st Century Fox de fazer pagamentos ilegais para obter os direitos de transmissão para os torneios de 2018 e 2022.

Uma acusação da qual os selos de confidencialidade foram retirados nesta segunda-feira em um tribunal do Brooklyn afirma que Nicolás Leoz, então presidente da Conmebol, e o ex-presidente da CBF Ricardo Teixeira, receberam subornos para votar no Catar durante a reunião do Comitê Executivo da Fifa em 2010. Os valores não foram revelados.

Em entrevista exclusiva ao canal CNN Brasil, ex-presidente da CBF deu uma versão na qual disse que sofreu retaliação do ex-presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton, por ter votado no Catar para receber a Copa do Mundo de 2022

Esquema da Copa do Mundo do Catar

Jack Warner, de Trinidad e Tobago, então presidente da Concacaf, recebeu US$ 5 milhões (R$ 26,4 milhões, na cotação atual) em subornos, de acordo com a imputação. Ao presidente da Federação de Futebol da Guatemala, Rafael Salguero, foi prometido suborno de US$ 1 milhão (R$ 5,3 milhões), segundo a denúncia.

Leoz, que morreu em agosto passado, evitou a extradição, assim como Warner e Teixeira. Salguero se declarou culpado em 2018 por duas acusações de conspiração de fraude eletrônica e uma de suborno e conspiração para lavagem de dinheiro.

Alejandro Burzaco, ex-diretor da empresa de publicidade argentina Torneos y Competencias, afirmou em 2017 que os três membros do Comitê Executivo da Fifa receberam propinas milionárias para votar no Catar, que superou a proposta dos Estados Unidos por 14a 8.

Os ex-executivos da 21st Century Fox Hernán López e Carlos Martínez foram acusados nesta segunda-feira de fazer pagamentos aos dirigentes da Conmebol para obter informações sobre o leilão pelos direitos de transmissão de um co-conspirador cuja identidade não foi divulgada na acusação.

A ESPN tinha direitos de transmissão nos EUA para as Copas do Mundo entre 1994 e 2014, mas em 2011 a Fox obteve os direitos para os torneios de 2018 e 2022. Depois que a competição no Catar foi transferida para o final do ano, quando possivelmente receberia menos atenção no país, a Fifa concedeu à Fox os direitos de 2026 sem licitação.

Desde que as primeiras acusações envolvendo dirigentes da Fifa foram realizadas em maio de 2015, houve 26 admissões de culpa. O ex-presidente da Conmebol Juan Ángel Napout e o ex-presidente da CBF José María Marin foi condenados - o brasileiro foi libertado na semana passada.

PODCAST

Mesmo com a pandemia do novo coronavírus afetando o mundo todo, o futebol segue sendo debatido no podcast Liga do Escrete, um podcast da Rádio Jornal especializado em futebol internacional. No episódio desta semana, além de algumas notícias dos clubes, vários quadros exclusivos do programa. Dentre os assuntos debatidos, um tema que gerou bastante debate: quais os cinco maiores atacantes da história da Seleção Brasileira? Além disso, um duelo envolvendo um craque do passado x craque da atualidade: Maldini ou Piqué, quem você queria no seu time?

Além desses temas, o programa também comentou escolheu a maior final de Liga dos Campeões dos últimos 20 anos. Ah, na trilha sonora do programa... Led Zeppelin! Você pode ouvir o podcast desta semana através do site da Rádio Jornal ou no seu aplicativo de podcast favorito.

Comentários

Últimas notícias