Dificuldades

Com câncer, ex- roupeiro da seleção brasileira vendeu chuteiras de Ronaldo e vive dificuldades

Rogelson Barreto trabalhou por mais de 25 anos na seleção brasileira e hoje enfrenta dificuldades

JC
JC
Publicado em 04/05/2020 às 16:23
Rafael Ribeiro/CBF
Barreto trabalhou na seleção braisleira por mais de 25 anos - FOTO: Rafael Ribeiro/CBF
Leitura:

Depois de dedicar mais de 25 anos à seleção brasileira, o ex- roupeiro Rogelson Barreto tem enfrentado dificuldades ao longo dos últimos anos. Demitido após eliminação na Copa do Mundo de 2014, Barreto se endividou e, para não deixar a família passar fome, precisou vender precisou vender medalhas, carro e o par de chuteiras usado por Ronaldo na final do Mundial de 2002. No ano passado, recebeu a notícia que estava com um câncer e a síndrome de Fournier.

Com a seleção brasileira, Rogelson Barreto participou de cinco Copas do Mundo, incluindo os títulos mundiais de 1994 e 2002. Hoje Barreto recebe uma aposentadoria de um salário mínimo e vive com a esposa, três filhos e um neto em Maricá-RJ. Em novembro do ano passado, foi diagnosticado com um câncer no reto e desenvolveu também a síndrome de Fournier, uma infecção rara e grave. Para poder pagar o tratamento das duas doenças, o filho do ex-roupeiro criou uma vaquinha na internet.

O drama pessoal de Barreto começou depois de uma das mais vexatórias derrotas da seleção brasileira. Após perder para a Alemanha por 7x1 na semifinal do Mundial de 2014, no Mineirão, toda a comissão técnica do Brasil foi demitida pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF), incluindo o roupeiro. Depois da demissão, Barreto levou um restaurante a falência e adquiriu dívidas, convivendo assim com várias dificuldades financeiras.

À espera do tratamento do câncer e da síndrome, Barreto foi prejudicado pela pandemia do novo coronavírus. Enquanto isso, o ex- roupeiro também aguarda o desenrolar de um processo trabalhista que moveu contra a CBF em 2015, depois da demissão. Barreto cobra da entidade horas extras e remunerações que vão além do contrato de trabalho.

Comentários

Últimas notícias