CRISE NA CBF

Saiba quem é Coronel Nunes, de volta ao comando da CBF com afastamento de Caboclo

O coronel Antônio Carlos Nunes de Lima, de 82 anos, volta ao comando da CBF pouco mais de dois anos após passar o cargo a Caboclo

JC
JC
Publicado em 07/06/2021 às 16:33
Notícia
FOTO: LUCAS FIGUEIREDO/CBF
TURBULÊNCIA.CBF vive uma crise após denúncia de assédio sexual e moral contra Rogério Caboclo - FOTO: FOTO: LUCAS FIGUEIREDO/CBF
Leitura:

ESTADÃO CONTEÚDO

O afastamento de Rogério Caboclo do comando da CBF devolveu à presidência interina da entidade um cartola conhecido pela eficiência em aceitar ordens de outros, sobretudo de Marco Polo Del Nero, ex-presidente da entidade banido do futebol pela Fifa. O coronel Antônio Carlos Nunes de Lima, de 82 anos, volta ao comando da CBF pouco mais de dois anos após passar o cargo a Caboclo. E, assim como da última vez, assume a função para substituir um presidente afastado por escândalo. Ninguém na entidade espera que haja qualquer mudança de rumo. Pior, não há dúvidas de que Del Nero estará mais fortalecido e representado no 'comando' da entidade' nos próximos 30 dias.

Nunes começou a segunda-feira como presidente interino da CBF após Rogério Caboclo ser afastado por 30 dias no domingo. O cartola é acusado de assédio moral e sexual contra uma funcionária, o que ele nega. Ainda nesta segunda-feira, uma reunião entre os oito vice-presidentes da CBF irá definir como será a gestão da entidade durante este período.

Afastado da presidência da CBF, Caboclo pode ser banido do futebol por má conduta

Evandro Carvalho evita se pronunciar sobre afastamento de Caboclo da CBF

Seleção brasileira vai jogar a Copa América

Coronel reformado da Polícia Militar do Pará, Antônio Carlos Nunes por décadas foi o homem forte do futebol de seu Estado - ele comandou a federação Estadual por seis mandatos -, mas nunca teve poder político em âmbito nacional. Na verdade, ficou marcado mais pelos deslizes e afrontas do que por qualquer outra coisa.

Nunes só chegou à presidência da CBF em 2016 após manobra política do então presidente Marco Polo del Nero, a quem o coronel já definiu publicamente como "amigo de muitos anos". Assim, sua presença hoje à frente da entidade é um reforço para Del Nero, que ainda se reúne em sua casa com os chefões atuais do futebol brasileiro.

Aqui, é importante fazer um parêntese e entender o contexto. Em 2015, quando foi preso na Suíça, o ex-presidente da CBF José Maria Marin ocupava uma das cinco vice-presidências da entidade. À época, o estatuto previa que, na ausência do presidente, quem assumiria o cargo seria o vice mais velho - no caso, Marin. Mas, como ele não poderia despachar da penitenciária dos EUA, o cargo passaria automaticamente ao segundo mais velho: Delfim Peixoto, opositor de Del Nero.

Na iminência de ser afastado pela Fifa, Del Nero manobrou para evitar que um desafeto seu assumisse seu cargo. Pelo estatuto, o único jeito era colocar na vaga de Marin - que representava a região sudeste - um cartola mais velho que Delfim. E foi aí que surgiu o nome de Antônio Carlos Nunes de Lima, um paraense que acabou eleito vice pela região sudeste. Posteriormente, o estatuto da CBF foi mudado, os vices saltaram de cinco para oito, e agora o mais velho só assume de forma interina, por 30 dias.

Depois de toda essa manobra, o Coronel Nunes assumiu a presidência no fim de 2017, quando Marco Polo del Nero foi banido do futebol pela Fifa. Seu mandato tampão foi marcado por deslizes, uma crise com a Fifa e, principalmente, com a Conmebol - justamente com quem ele precisa lidar agora para a organização da Copa América.

VOTO NO MARROCOS

A crise começou durante a Copa do Mundo da Rússia, em 2018. Durante o torneio, a Fifa organizou seu congresso para a escolha da sede do Mundial de 2026. A Conmebol havia feito com um acordo com seus dez países para votação na candidatura conjunta de Canadá, México e Estados Unidos. Na hora da votação, porém, Antônio Carlos Nunes votou no Marrocos.

A mudança irritou muito os dirigentes da Confederação Sul-Americana. O presidente da Associação de Futebol Argentino (AFA), Claudio Tapia, chamou o voto de Nunes de "traição". Gianni Infantino, que comanda a Fifa e que já foi chamado pelo coronel de "Gianini", não escondeu seu constrangimento e pediu que o cartola brasileiro fosse afastado das decisões importantes Só quem ficou feliz pelo voto foi Marco Polo del Nero, que teria telefonado para Nunes para parabenizá-lo pela postura.

Ainda naquela Copa da Rússia, Antônio Carlos Nunes se envolveu em uma confusão num restaurante. Um torcedor brasileiro, que morava no Pará e estava naquele país para assistir aos jogos do Mundial, reconheceu o cartola, proferiu xingamentos e lhe acertou um tapa. Um assessor do coronel interveio e também foi agredido, revidando com um copo atirado. O torcedor foi parar no hospital. Nunes voltou para o Brasil.

PREFERÊNCIAS

O coronel Nunes é um homem afeito a conversas, e em geral nunca se recusa a dar declarações sobre os assuntos em pauta. Justamente por isso, raramente é visto sem a companhia de algum assessor, que em geral apressa o cartola para que ele não fale muito.

Quando foi eleito vice-presidente da CBF, em dezembro de 2015, Nunes não teve direito a uma entrevista coletiva - isso tampouco aconteceu quando assumiu a presidência, o que, aliás, se tornou comum. Mas, naquele dia, o coronel conseguiu driblar os assessores e apareceu para conversar com quem fazia plantão na sede da CBF. E revelou suas preferências.

À época, Dunga treinava a seleção brasileira e, tal qual Tite nos dias de hoje, via seu cargo a perigo. Indagado sobre a situação de Dunga, o coronel Nunes disse gostar do técnico, mas via outros bons treinadores pelo Brasil. "Para mim (o melhor técnico do País) é o Dado Cavalcanti, que recuperou o Paysandu e quase chegou no G-4 (da Série B)", comentou. Também via Jorginho, à frente do Vasco, como um bom nome.

Ele também disse que não se importava em ser tratado como Coronel Nunes - na CBF, o uso da patente era vetado pelos assessores. "Eu só não quero que o tesoureiro do quartel não bote lá que sou coronel, que daí meu dinheiro vai lá para baixo", justificou.

Nunes assume todas as decisões da CBF com o afastamento de Rogério Caboclo. Vai 'governar' com seus pares na entidade, mantendo a lealdade ao banido presidente Del Nero, que ainda não pode deixar o Brasil com risco de ser preso.

Comentários

Últimas notícias