Pódio

Chinesa do tiro esportivo fatura primeira medalha de ouro da Olimpíada

A atleta da china, de 21 anos, faturou o ouro com novo recorde olímpico

Davi Saboya
Davi Saboya
Publicado em 24/07/2021 às 1:29
Notícia
AFP
Medalha de prata ficou para a Rússia e o bronze foi conquistado pela Suíça - FOTO: AFP
Leitura:

ESTADÃO CONTEÚDO

A chinesa Yang Qian, do tiro esportivo, conquistou neste sábado (noite de sexta-feira, pelo horário de Brasília), a primeira medalha de ouro dos Jogos Olímpicos de Tóquio. A atleta de 21 anos venceu a prova de 10 metros com carabina ao obter 251,8 pontos, novo recorde olímpico.

>> Horários Olimpíadas 2021: veja as partidas e disputas deste sábado (24)

A medalha de prata ficou com a russa Anastasiia Galashina, representando o Comitê Olímpico Russo, com 251,1 pontos. O bronze ficou com a suíça Nina Christen, com 230,6. Galashina liderava a disputa até o último tiro, quando a chinesa obteve pontuação maior: 9,8 contra 8,9 da russa.

Christen, por sua vez, garantiu seu lugar no pódio nos tiros finais, ao superar a norueguesa Jeanette Hegg Duestad, que havia liderado a fase classificatória e acabou ficando somente com o quarto lugar geral.

LEIA MAIS

Brasil começa melhor, mas perde para a favorita Noruega na estreia do Handebol

Ágatha e Duda sofrem no início, mas vencem na estreia em Tóquio

Alison e Álvaro Filho ganham bem de dupla argentina na estreia do vôlei de praia

Brasileira Nathalie Moellhausen perde na esgrima e dá adeus às Olimpíadas de Tóquio

Galashina e outros atletas russos estão competindo em Tóquio sob permissão especial do Comitê Olímpico Internacional (COI), em razão das seguidas infrações por doping registradas no esporte russo nos últimos anos. O país foi impedido de disputar a Olimpíada com sua bandeira. Apresenta-se apenas como Comitê Olímpico Russo. Ou seja, se tivesse conquistado o ouro, o primeiro pódio em Tóquio não contaria com a execução de um hino de um país.

Com a vitória, Qian Yang faturou o primeiro de 339 títulos olímpicos que estarão em disputa na capital japonesa, até o dia 8 de agosto. A cerimônia de premiação foi diferente, como já havia sido anunciado pelo COI. Nenhuma autoridade colocou a medalha ao redor do pescoço das atletas, que precisaram elas mesmas pegar a medalha de uma bandeja. A premiação contou com a presença do presidente do COI, o alemão Thomas Bach.

Comentários

Últimas notícias