OLIMPÍADA

"Questão da saúde mental há muito tempo tem sido subestimada", diz psicóloga sobre drama de Simone Biles

A superestrela da ginástica Simone Biles não participará da final individual geral nesta quinta-feira (29) nos Jogos Olímpicos de Tóquio. Ela alegou não estar bem mentalmente

Marcos Leandro
Marcos Leandro
Publicado em 28/07/2021 às 14:59
Notícia
Lionel BONAVENTURE / AFP
Pressionada, Simone Biles decidiu não participar da final individual da ginástica - FOTO: Lionel BONAVENTURE / AFP
Leitura:

Da Redação, com agências

A superestrela da ginástica Simone Biles não participará da final individual geral nesta quinta-feira (29) nos Jogos Olímpicos de Tóquio. A informação foi anunciada pela Federação de Ginástica dos Estados Unidos (USA Gymnastics, na sigla em inglês), em comunicado divulgado na madrugada desta quarta-feira (28), pelo horário de Brasília.

A alegação da própria Simone Biles é que ela não estaria bem mentalmente, devido à pressão por resultados e o contexto vivido durante e pandemia. O assunto foi abordado pelo ex-nadador Michael Phelps, dono de 28 medalhas olímpicas. 

De acordo com Julie-Ann Tullberg, uma psicóloga esportiva da Monash University, na Austrália, "a questão da saúde mental há muito tempo tem sido subestimada como causa do mau desempenho em um ambiente esportivo tão intenso quanto as Olimpíadas". 

"Agora, os atletas querem falar sobre essa pressão de forma aberta e livremente", acrescentou, em entrevista à AFP.

Brasileiro reclama de comportamento em quadra de Djokovic, que rebate: 'Sério?'

Goleira Pernambucana Bárbara tem bate-boca pesado com atleta paralímpica, veja

PANDEMIA

Em um contexto específico, devido à pandemia de covid-19, os atletas se sentem mais vulneráveis: primeiro, ficaram sem competir, ou treinar, e depois, ainda tiveram de fazer isso sozinhos.

Seus parentes não estão nesses Jogos, porque as autoridades japonesas decidiram limitar o número de visitantes ao máximo para evitar a disseminação do coronavírus. Encontram-se instalados em uma Vila Olímpica em "modo pandêmico", com máscaras obrigatórias e interações muito limitadas, sem poderem sair do circuito dos Jogos, o qual se restringe às competições e à hospedagem.

"A bolha da Vila Olímpica tem um grande impacto nos atletas. Eles estão acostumados a sair e em Tóquio não podem", explicou Julie-Ann Tullberg.


Comentários

Últimas notícias