notícia boa

Pesquisas feitas em macacos reforçam a tese de que recuperados do coronavírus ficam imunes à doença

As pesquisas feitas com macacos mostraram que, ao serem expostos à covid-19, os animais desenvolveram anticorpos que lhes deram imunidade

Larissa Lira
Larissa Lira
Publicado em 21/05/2020 às 19:58
Notícia
AFP
Os trabalhos foram conduzidos no Centro de Virologia e Pesquisa em Vacinas Beth Israel Deaconess, da Escola de Medicina de Harvard. - FOTO: AFP
Leitura:

Quem já pegou coronavírus pode contrair novamente o vírus? Essa é uma das dúvidas que permeiam a covid-19, doença até então desconhecida e que já infectou mais de 310 mil pessoas no Brasil. Essa pergunta, no entanto, pode ter uma resposta em breve, já que dois novos estudos realizados nos Estados Unidos tiveram resultados positivos na evolução no combate ao vírus. As pesquisas feitas com macacos mostraram que, ao serem expostos à covid-19, os animais desenvolveram anticorpos que lhes deram imunidade, além de revelarem que as vacinas testadas podem ser efetivas.

>> Veja o avanço na busca pela vacina contra o coronavírus no mundo 

>> Em dia de recorde, Brasil registra 1.188 mortes por coronavírus e total de óbitos passa de 20 mil

>> Pernambuco se aproxima das 2 mil mortes por coronavírus

>> Novos casos na China indicam que o coronavírus pode estar em modificação 

Os trabalhos foram conduzidos no Centro de Virologia e Pesquisa em Vacinas Beth Israel Deaconess, da Escola de Medicina de Harvard. A primeira pesquisa infectou nove macacos com a doença e voltou a expor o grupo ao vírus depois que eles se recuperaram. Nenhum deles adoeceu. “Isso sugere que eles desenvolveram uma imunidade natural que os protege de uma nova exposição”, explicou Dan Barouch, um dos responsáveis pelo estudo publicado na revista Science, à agência Reuters. A comunidade científica ainda não corroborou a tese de que pessoas curadas desenvolveram imunidade contra a doença.

Já no segundo estudo, 25 macacos foram expostos a seis protótipos de vacina para analisar se os anticorpos produzidos pelo organismo seriam suficientes para protegê-los. Esse grupo e outro formado por dez macacos foram infectados com o novo coronavírus.

Os macacos do segundo grupo apresentaram grande quantidade de vírus nas vias aéreas, enquanto os vacinados tiveram um maior grau de proteção. Oito dos 25 animais ficaram completamente protegidos, de acordo com estudo. O experimento mostra que o desenvolvimento de vacinas contra o coronavírus está no caminho certo. Dan Barouch avaliou os resultados com otimismo. “Esses dados são vistos como um avanço científico”, disse.

Assine a nova newsletter do JC e fique bem informado sobre o coronavírus

Todos os dias, de domingo a domingo, sempre às 20h, o Jornal do Commercio divulga uma nova newsletter diretamente para o seu email sobre os assuntos mais atualizados do coronavírus em Pernambuco, no Brasil e no mundo. E como faço para receber? É simples. Os interessados podem assinar esta e outras newsletters através do link jc.com.br/newsletter ou no box localizado no final das matérias.

O que é coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China.Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização. Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência.
  • Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (mascára cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).

Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.

Confira o passo a passo de como lavar as mãos de forma adequada

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias