coronavírus

França decreta toque de recolher noturno em nove cidades, inclusive Paris

A medida será tomada devido ao aumento de casos do novo coronavírus

AFP
AFP
Publicado em 14/10/2020 às 18:25
Notícia

Foto: BERTRAND GUAY / AFP
"O toque de recolher durará quatro semanas e iremos ao Parlamento para estendê-lo até 1º de dezembro. Seis semanas é o tempo que consideramos útil", disse Macron - FOTO: Foto: BERTRAND GUAY / AFP
Leitura:

O presidente da França, Emmanuel Macron, anunciou nesta quarta-feira (14) que será decretado toque de recolher noturno em nove cidades do país, inclusive Paris, durante pelo menos um mês, devido ao aumento de casos do novo coronavírus.

"O toque de recolher durará quatro semanas e iremos ao Parlamento para estendê-lo até 1º de dezembro. Seis semanas é o tempo que consideramos útil", disse Macron em uma entrevista à televisão.

Este toque de recolher será aplicado entre as 21H00 e as 06H00 e entrará em vigor a partir deste sábado, detalhou Macron durante entrevista televisionada. As pessoas que descumprirem serão sancionadas com multa de 135 euros (158 dólares).

"Devemos agir, a situação é preocupante", disse o chefe de estado francês, alertando que a segunda onda já está diminuindo no país.

Além da capital, Paris, o toque de recolher se aplicará a Lille, Grenoble, Lyon, Aix-Marselha, Montpellier, Rouen, Toulouse e Saint-Etienne.

Durante o dia, a vida dos franceses não mudará. "Vamos continuar trabalhando, nossa economia precisa disso, nós precisamos, nossos filhos vão continuar indo à escola", explicou Macron.

Também não haverá restrições ao movimento dentro do país.

A França, um dos países europeus mais atingidos pelo vírus, já contabiliza cerca de 33.000 mortes por covid. O número de infecções aumentou de forma constante nas últimas semanas na França, especialmente desde o retorno das férias de verão na Europa.

 

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias