imunizante

OMS examina vacina da AstraZeneca em meio a questionamentos sobre sua eficácia

Segundo os primeiros resultados do estudo, o imunizante é apenas 22% eficaz em casos leves da doença causada pela variante sul-africana

AFP
AFP
Publicado em 08/02/2021 às 23:23
Notícia

KARIM SAHIB/AFP
Vacina AstraZeneca contra a covid-19 - FOTO: KARIM SAHIB/AFP
Leitura:

Os especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS) examinaram nesta segunda-feira (8) a vacina contra a covid-19 da AstraZeneca, cuja eficácia é questionada em pessoas de idade mais avançada e contra a variante sul-africana do vírus, levando inclusive o país a suspender temporariamente sua campanha de imunização.

A vacina da AstraZeneca/Oxford, que o Reino Unido foi o primeiro a administrar maciçamente em dezembro, já foi aprovada por outras nações e pela União Europeia (UE).

>> Número de vacinados contra a covid-19 no Brasil chega a mais de 3,7 milhões

>> Bolsonaro muda o tom e diz que vacinação contra a covid-19 aumenta chance de retomada da economia

Mas, devido à falta de dados sobre sua eficácia na população de idade mais avançada, alguns governos decidiram recomendar seu uso para pessoas com menos de 65 anos ou inclusive menos de 55, como na Espanha.

No domingo, a África do Sul suspendeu o início do seu programa de imunização, que deveria começar nestes dias com um milhão de doses da AstraZeneca/Oxford, depois que um estudo revelou sua eficácia "limitada" contra a variante local do vírus.

Segundo os primeiros resultados do estudo, esta vacina é apenas 22% eficaz em casos leves da doença causada pela variante sul-africana. Por enquanto, não há nenhum resultado sobre os casos graves.

"É cedo demais para rejeitar esta vacina", que é "uma parte importante da resposta mundial à pandemia atual", avaliou Richard Hatchett, um dos responsáveis pelo mecanismo Covax para garantir uma distribuição justa das ferramentas de combate à covid-19.

"É absolutamente crucial utilizar as ferramentas de que dispomos tão eficazmente quanto seja possível", acrescentou em coletiva de imprensa na sede da OMS em Genebra.

"Acreditamos que nossa vacina protegerá apesar de tudo contra as formas graves da doença", afirmou um porta-voz da AstraZeneca.

Com uma eficácia média de 70%, o imunizante da AstraZeneca/Oxford é menos convincente do que os da Pfizer/BioNTech ou da Moderna, cujos níveis de eficácia superam os 90%.

Mas esta vacina é mais barata e mais fácil de armazenar porque não precisa ser mantida a temperaturas muito baixas. Isto a torna mais adequada para campanhas de imunização em massa.

A pandemia deixou mais de 2,31 milhões de mortos no mundo desde que o escritório da OMS na China notificou o aparecimento da doença no fim de dezembro de 2019, segundo um balanço realizado pela AFP até esta segunda-feira. Mais de 106 milhões de casos foram diagnosticados.

Na terça, a equipe de especialistas da OMS que investiga na China a origem do vírus dará uma coletiva de imprensa.

As marcas da crise sanitária serão sentidas durante anos. Foi o que voltou a constatar o FMI, destacando que o recrudescimento da pandemia na América Latina ameaça "frustrar uma recuperação que já é desigual" e que a economia regional voltará a níveis prévios à crise sanitária apenas em 2023.

Alejandro Werner, diretor para as Américas do FMI, e outros dois economistas advertiram em uma postagem no blog da entidade que "a plena recuperação ainda está muito distante", apesar de uma melhora nas estimativas em relação a prognósticos anteriores.

"O produto (interno bruto) da região voltará aos níveis prévios à pandemia apenas em 2023, e o PIB per capita o fará em 2025, isto é, mais tarde do que em outras regiões do mundo", informaram os especialistas.

A região registrou 618.901 mortos e 19.575.623 contágios de covid-19, um impacto que, segundo o FMI, levou 17 milhões de pessoas à situação de pobreza.

Ao menos 298 médicos e 125 enfermeiros morreram no Peru com a covid-19, entre os mais de 20.000 profissionais de saúde que contraíram a doença, enquanto a Argentina descobriu em seu território a circulação de duas variantes da covid-19 levadas por pessoas que viajaram ao Brasil, anunciou nesta segunda-feira o ministro da Saúde.

Quem já conseguiu superar a doença foi o presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, que retomou nesta segunda suas atividades oficiais, após ter sido diagnosticado com o novo coronavírus em 24 de janeiro.

Criticado por relativizar a eficácia da máscara, o presidente foi consultado se agora usaria a peça, ao que respondeu: "Não, não. Além disso, de acordo com o que dizem os médicos, já não transmito".

Enquanto isso, nos Estados Unidos propaga-se rapidamente a variante identificada inicialmente no Reino Unido que ameaça aumentar os contágios enquanto sua prevalência já dobra aproximadamente a cada dez dias, indicou uma nova pesquisa.

Neste domingo, o deputado republicano Ron Wright, de 67 anos, faleceu por covid-19, tornando-se o primeiro congressista a perder a vida com o coronavírus no país mais afetado pela pandemia em termos absolutos.

Alguns países, no entanto, começam a vislumbrar a luz no fim do túnel.

Israel, que já vacinou mais de 40% da sua população, começou no domingo a sair do terceiro 'lockdown'. Pela manhã, o comércio não essencial abriu em Jerusalém, como o salão de beleza de Eli Aroas.

"Informei os meus clientes que estávamos voltando ao trabalho (...) Chegarão em breve e esperamos que seja o fim desta história", disse, feliz, este barbeiro de 58 anos.

A Áustria também abrandou suas restrições nesta segunda e abriu escolas, museus e lojas; assim como Quebec, no Canadá, que fez o mesmo com museus e comércios não essenciais.

Na Holanda e na Dinamarca, os estudantes das escolas de ensino fundamental também puderam voltar às aulas, assim como na Costa Rica, onde em meio ao entusiasmo dos alunos e os temores dos pais, milhares de estudantes das escolas públicas voltaram nesta segunda-feira às aulas parcialmente presenciais, depois de quase um ano de aulas remotas por causa da pandemia.

 

 

 

 

 

 

Últimas notícias