tragédia

Evento com maior número de pessoas na pandemia em Israel termina em tragédia com mais de 40 mortos

Tumulto aconteceu em uma peregrinação judaica ortodoxa no norte do país

AFP
AFP
Publicado em 30/04/2021 às 9:11
Notícia
David COHEN / JINI PIX / AFP
Corpos cobertos depois que dezenas de pessoas foram mortas e outros feridos em Meron, Israel - FOTO: David COHEN / JINI PIX / AFP
Leitura:

O evento com o maior número de pessoas em Israel desde o início da pandemia de covid-19 terminou em tragédia nesta sexta-feira (30), depois que um grande tumulto deixou pelo menos 44 mortos durante uma peregrinação judaica ortodoxa no norte do país.

"A catástrofe do Monte Meron é uma das mais graves a atingir o Estado de Israel", afirmou em uma mensagem no Twitter o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, que visitou o local da tragédia e decretou um dia de luto nacional no domingo.

O Magen David Adom, equivalente israelense da Cruz Vermelha, informou que atendeu durante a noite 150 feridos, seis deles em estado cítico.

O canal de televisão Kan, que exibiu imagens de uma barreira de metal que se partiu com o movimento da multidão, indicou que 18 pessoas estavam em situação "preocupante".

A jornalista Rubi Hammerschlag afirmou que viu o que chamou de "tapete de roupas" no chão, incluindo chapéus e livros.

"As pessoas estavam empilhadas umas sobre as outras", disse Hammerschlag, antes de destacar que elas "se esmagavam"".

As circunstâncias exatas da tragédia ainda não foram determinadas.

"A polícia chegou (...) e decidiu fechar a rampa de saída de uma das fogueiras, que estava lotada", relatou à AFP Shmuel, de 18 anos e que testemunhou o ocorrido. "Chegaram mais pessoas, cada vez mais (...) A polícia não permitia a saída e começaram a se apertar uns contra os outros, e depois a se esmagar".

 

David COHEN / JINI PIX / AFP
Corpos cobertos depois que dezenas de pessoas foram mortas e outros feridos em Meron, Israel - David COHEN / JINI PIX / AFP
AHMAD GHARABLI / AFP
Forças de segurança israelenses detiveram um manifestante palestino em frente ao Portão de Damasco, na Cidade Velha de Jerusalém, em 23 de abril de 2021 - AHMAD GHARABLI / AFP
AHMAD GHARABLI / AFP
Manifestante palestino foge das forças de segurança israelenses do lado de fora do Portão de Damasco, na Cidade Velha de Jerusalém, em 23 de abril de 2021 - AHMAD GHARABLI / AFP
AHMAD GHARABLI / AFP
As forças de segurança israelenses posicionam-se na Cidade Velha de Jerusalém em 23 de abril de 2021 - AHMAD GHARABLI / AFP
AHMAD GHARABLI / AFP
As forças de segurança israelenses posicionam-se na Cidade Velha de Jerusalém em 23 de abril de 2021 - AHMAD GHARABLI / AFP
AHMAD GHARABLI / AFP
As forças de segurança israelenses posicionam-se na Cidade Velha de Jerusalém em 23 de abril de 2021 - AHMAD GHARABLI / AFP
AHMAD GHARABLI / AFP
As forças de segurança israelenses dispersam os manifestantes palestinos do lado de fora do Portão de Damasco, na Cidade Velha de Jerusalém, em 23 de abril de 2021 - AHMAD GHARABLI / AFP
AHMAD GHARABLI / AFP
As forças de segurança israelenses dispersam os manifestantes palestinos do lado de fora do Portão de Damasco, na Cidade Velha de Jerusalém, em 23 de abril de 2021 - AHMAD GHARABLI / AFP

"A polícia não reabriu (a barreira) até que se rompeu e toda a multidão explodiu para os lados. Dezenas de pessoas morreram esmagada, uma catástrofe", completou Shmuel.

Dezenas de ambulâncias seguiram para o local. As equipes de emergência tiveram dificuldades para chegar aos feridos pelo tamanho da multidão. Seis helicópteros também transportaram as vítimas para cidades próximas.

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, desejou ao povo israelense "força e coragem para superar estos momentos difíceis".

União Europeia e França expressaram de modo separado condolências às famílias das vítimas e à população, desejando "uma pronta recuperação aos feridos". A Alemanha se declarou "profundamente comovida".

"Terríveis cenas na festa de Lag Baomer em Israel", tuitou o primeiro-ministro britânico Boris Johnson.

Funerais estão previstos para esta sexta-feira em Jerusalém e Tel Aviv.

"Este foi um dos incidentes mais difíceis que tive que enfrentar. Lembrou a época dos bombardeios", disse Kan Dov Maisel, do serviço de resgate United Hatzala, a Army Radio.

As imagens publicadas nas redes sociais mostram uma procissão com uma multidão compacta e que se aproximava de uma estrutura de metal, onde judeus religiosos estavam de pé ao redor de uma fogueira.

Antes da tragédia, a multidão percorria corredores e salões, dançando e cantando, rezando e acendendo velas e fogueiras, segundo imagens filmadas pela AFP. Homens e mulheres estavam separados e também havia crianças.

 

 

Amit Sofer, membro do conselho regional de Merom Hagalil, afirmou que as autoridades pensaram inicialmente que "um palco havia desabado".

O comandante da polícia da região norte, Shimon Lavi, disse à imprensa que "assume a responsabilidade" pelo desastre.

Dezenas de milhares de pessoas compareceram na quinta-feira à noite à peregrinação anual, o maior ato público no país desde o início da pandemia.

As autoridades permitiram a presença de 10.000 pessoas na área do túmulo, mas, segundo os organizadores, em todo o país foram fretados mais de 650 ônibus, o que representa pelo menos 30.000 pessoas. A imprensa local calculou o fluxo em 100.000 pessoas, mas o número não foi confirmado pelas autoridades.

Em 2019, um ano antes da pandemia que provocou o cancelamento da peregrinação em 2020, os organizadores calcularam que 250.000 compareceram ao local.

A peregrinação, que celebra a festa judaica de Lag Baomer, acontece no Monte Meron ao redor do túmulo de Rabi Shimon Bar Yojai, um talmudista do século II ao qual é atribuída a redação do Zohar, uma obra central da mística judaica.

A festividade é alegre e celebra o fim de uma epidemia devastadora entre os alunos de uma escola talmúdica daquela época.

Últimas notícias