ucrânia

Usina nuclear: "Se explodir, será 10 vezes maior do que Chernobyl", diz ministro ucraniano sobre incêndio em Zaporizhzhia

O chanceler da Ucrânia, Dmytro Kuleba, pediu às tropas russas um cessar-fogo imediato na central nuclear de Zaporizhzhia, a maior da Europa

JC AFP
JC
AFP
Publicado em 03/03/2022 às 23:35
REPRODUÇÃO DE VÍDEO
Incêndio em usina nuclear na Ucrânia nesta quinta-feira (3) - FOTO: REPRODUÇÃO DE VÍDEO
Leitura:

O chanceler da Ucrânia, Dmytro Kuleba, pediu às tropas russas um cessar-fogo imediato na central nuclear de Zaporizhzhia, a maior da Europa, atingida nesta quinta-feira (3) por um incêndio causado por bombardeios

"Se explodir, será 10 vezes maior do que Chernobyl! Os russos têm que conter o fogo IMEDIATAMENTE, permitir que os bombeiros estabeleçam um perímetro de segurança", tuitou Kuleba.

O presidente ucraniano, Volodimir Zelensky, acusou Moscou nesta sexta-feira (4) de recorrer ao "terror nuclear" e de querer "repetir" a catástrofe de Chernobyl.

"Alertamos o mundo inteiro para o fato de que nenhum outro país, exceto a Rússia, disparou contra usinas nucleares. Esta é a primeira vez em nossa história, a primeira vez na história da humanidade. Este Estado terrorista está agora recorrendo ao terror nuclear", criticou Zelensky em um vídeo divulgado pela presidência ucraniana.

"A Ucrânia tem 15 reatores nucleares. Se houver uma explosão, é o fim de tudo. O fim da Europa. É a evacuação da Europa", acrescentou.

"Só uma ação europeia imediata pode deter as tropas russas. Devemos evitar que a Europa morra de um desastre nuclear", insistiu o presidente ucraniano.

Segundo Kiev, um bombardeio russo na madrugada desta sexta-feira afetou a usina nuclear de Zaporizhia, a maior da Europa, localizada a cerca de 150 quilômetros ao norte da península da Crimeia.

O incêndio afetou um prédio e um laboratório, mas a segurança nuclear da usina está "garantida" por enquanto, disseram as autoridades ucranianas.

Segundo afirmações do regulador ucraniano à Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), os níveis de radiação do local não foram alterados e o fogo não atingiu os equipamentos "essenciais".

Em 24 de fevereiro, os combates já haviam eclodido perto da antiga usina de Chernobyl, cenário da pior catástrofe nuclear da história em 1986, atualmente sob controle russo.

"Centenas de milhares de pessoas sofreram as consequências (de Chernobyl), dezenas de milhares foram evacuadas. A Rússia quer repetir isso e está em processo de repeti-lo", acusou Zelensky.

Comentários

Últimas notícias