recombinação

Não há cepa 'deltacron' e não foi vista alta de casos por nova mutação, diz Opas

Gerente de incidentes para covid-19 da Opas informou que trata-se de uma "recombinação natural" do vírus que possui características tanto das cepas Ômicron quanto da Delta

Estadão Conteúdo
Cadastrado por
Estadão Conteúdo
Publicado em 16/03/2022 às 14:32 | Atualizado em 16/03/2022 às 18:53
Karolina Grabowska/Pexels
Relaxamento na exigência do uso das máscaras é apontado por especialistas como a causa da volta do crescimento dos casos no País - FOTO: Karolina Grabowska/Pexels
Leitura:
Gerente de incidentes para covid-19 da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), Sylvain Aldighieri afirmou que não há uma nova variante chamada de "deltacron", mas sim apenas uma "recombinação natural" do vírus que possui características tanto das cepas ômicron quanto da delta. Segundo ele, não há evidência de que essa mutação tenha causado aumento de casos em alguma região do mundo.
Sequenciamentos desta recombinação genética do vírus foram encontrados na França, Dinamarca e Holanda entre janeiro e fevereiro, segundo Aldighieri, que advertiu contra o uso do termo "deltacron".

Aumento das infecções

O aumento das infecções por covid-19 em várias partes do mundo é um "aviso" para as Américas de que o vírus não está sob controle, apesar da diminuição das infecções na região, disse a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) nesta quarta-feira (16).



A Opas, escritório regional da Organização Mundial da Saúde (OMS), destacou que as infecções do coronavírus aumentaram 28,9% na semana passada na região do Pacífico Ocidental, que inclui a China; 12,3% na África; e quase 2% na Europa em relação à semana anterior. "Os casos estão aumentando novamente em outras partes do mundo, o que serve de alerta para nossa região", disse o vice-diretor da Opas, Jarbas Barbosa, em coletiva de imprensa. Nas Américas, os casos de covid-19 continuaram em queda pela oitava semana consecutiva, com mais de 901.000 novos casos relatados na semana de 6 de março, uma queda de 19% em relação à semana anterior.



As mortes semanais também continuaram sua trajetória descendente pela quinta semana consecutiva, com 15.523 novas mortes relatadas (-18,4%), disse a Opas. Mas Barbosa indicou que, embora a maioria dos países e territórios americanos tenha relatado redução de novos casos, no Caribe e nas ilhas do Oceano Atlântico os casos aumentaram 56,6%.



"As infecções e mortes por covid-19 estão diminuindo na maior parte de nossa região, mas muitos casos e mortes ainda estão sendo relatados todos os dias, uma indicação clara de que a transmissão ainda não está sob controle", lembrou. Devido ao risco que a pandemia ainda representa, a Opas pediu aos países das Américas para ampliar as taxas de vacinação anticovid.



Barbosa destacou que o Chile, assim como as Ilhas Cayman e Porto Rico (territórios britânico e norte-americano no Caribe, respectivamente), já vacinaram mais de 90% de sua população, mas lembrou que 21 países e territórios das Américas ainda precisam vacinar 50%.

Últimas notícias