CORONAVÍRUS

Campanha pede ajuda para famílias que dependem do São João

Fequajupe lançou campanha de arrecadação de alimentos e materiais de higiene e limpeza para quadrilheiros e outros trabalhadores do setor

Amanda Rainheri
Amanda Rainheri
Publicado em 24/05/2020 às 13:20
Notícia
FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM
Marcelo Lopes - costureiro que trabalha com figurinos juninos e está sem trabalho após o cancelamento do São João devido à quarentena do Coronavírus. - FOTO: FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM
Leitura:

Para ajudar famílias que tiram o sustento do São João em meio à pandemia do novo coronavírus, a Federação de Quadrilheiras Juninas e Similares de Pernambuco (Fequajupe) está mobilizando uma campanha de arrecadação de alimentos e materiais de limpeza e higiene, através do projeto Pau de Arara. A primeira etapa já beneficiou 300 famílias e a expetativa agora é alcançar outras 500 na Região Metropolitana do Recife e no interior do Estado.

>> Pandemia do novo coronavírus afeta quadrilheiros e trabalhadores no São João

>> Acompanhe as últimas notícias sobre o novo coronavírus

"Estamos todos parados. Muita gente também acabou ficando desempregada durante a pandemia e está sem conseguir o auxílio emergencial do governo, então tivermos a ideia de criar a campanha para ajudar quem atua nesse segmento", explica Michelly Miguel, presidente da Fequajupe.

Segundo ela, as realidades no interior e no Grande Recife são diferentes. "As quadrilhas da Região Metropolitana movimentam muito dinheiro dentro da cadeia produtiva. São cabelereiros, soldadores, sapateiros, ônibus, costureiros.. No interior, a dificuldade é ainda maior, porque muita gente sobrevive das quadrilhas. Além disso, elas ajudam a movimentar comércio de cidades pequenas, então o cancelamento acaba afetando toda a comunidade."

Quem quiser ajudar, pode doar uma quantia em dinheiro, através de conta-corrente (Banco do Brasil, agência 2811-8, conta 5821662-6, CNPJ 05.821.662/001-46) ou entrar em contato diretamente com a Federação através dos telefones 99570-9017, 98754-5173 ou 99740-1799. "Ninguém precisa sair de casa. Não importa se é um quilo ou se são cem quilos de alimento, nós vamos até a casa do doador. Nesse momento, é muito importante que a gente possa se unir para ajudar quem mais precisa", afirma Michelly.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias