COVID-19

Segurança e saúde mental de profissionais de saúde são tema de pesquisa da Fiocruz

Fundação está ouvindo médicos, enfermeiros, fisioterapeutas e técnicos de enfermagem

Amanda Rainheri
Amanda Rainheri
Publicado em 21/08/2020 às 17:49
BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
Márcio Sanctos, é médico e atua na linha de frente da covid-19 nas redes pública e particular - FOTO: BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
Leitura:

Atualizada às 18h32

A rotina de Aglaia Bianca Cunha, de 43 anos, mudou completamente desde o último mês de março. Assim que a pandemia do novo coronavírus (covid-19) chegou a Pernambuco, ela, que é técnica em enfermagem da rede estadual, adoeceu e travou uma verdadeira batalha pela vida. Assim como Aglaia, mais de 20 mil profissionais da saúde já foram infectados pelo vírus no Estado. Mas adoecer de covid não é o único impacto para quem está na linha de frente do combate à doença. Pensando nisso, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) está desenvolvendo uma pesquisa junto aos profissionais da saúde para avaliar os riscos a que estão submetidos e também as consequências para a saúde mental.

>> Leia as últimas notícias sobre o coronavírus

>> Técnicos e auxiliares são os que mais adoecem de coronavírus em Pernambuco

Aglaia faz parte do grupo de profissionais que mais adoeceu em Pernambuco, segundo levantamento divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde (SES) na última quarta-feira (19). De acordo com o informe, até o dia 17 de agosto, 28,6% dos infectados eram auxiliares ou técnicos em enfermagem. A categoria é seguida pelos enfermeiros, que representam 11,8% dos profissionais da saúde doentes e pelos médicos, que somam 8,4% dos casos. "Quando adoeci, ninguém falava ainda em transmissão comunitária, então era tudo muito novo, a gente ainda estava descobrindo o que precisava ser feito", conta a técnica. 

Aglaia passou 70 dias internada, sendo 42 em coma na UTI. Cinco meses depois, ela, que é diabética e asmática, ainda não retornou ao trabalho. "Fiquei com muitas sequelas devido aos bloqueadores musculares (medicamentos que ajudam na intubação e facilitam a ventilação). Todo dia é uma nova conquista. Hoje eu ando, falo e estou começando a conseguir escrever. A vitória não foi só minha, mas de Deus, dos profissionais da saúde e de quem torceu por mim", comemora. A profissional conta que entre os colegas de trabalho a apreensão ainda é grande. "A preocupação é grande e a reclamação é geral de que faltaram equipamentos adequados para trabalhar. Muita gente adoeceu e outros tantos perderam a vida", lamenta.

Coordenadora do estudo, que já ouviu cerca de 500 profissionais de diferentes especialidades, tanto na rede pública quanto na privada, Fátima Militão afirma que a falta de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) está entra os relatos mais comuns. "A manipulação do paciente é a principal situação de vulnerabilidade apontada. Mas existe a questão da reutilização das máscaras e da desparamentação. Alguns profissionais afirmam que reutilizam a mesma N95 de sete a 15 dias, o que se torna fonte de contaminação. Há ainda relatos de profissionais que têm comorbidades e estão trabalhando", aponta.

Até agora o maior percentual é de profissionais jovens com menos de 30 anos (46,6%) e 52% do total de participantes relataram ter tido sintomas de Covid-19. Sessenta por cento dos profissionais foram testados (239), dentre os quais 41% tiveram resultado positivo no exame RT-PCR.

O protocolo criado em Pernambuco será levado agora a quatro outras Regiões Metropolitanas: de Belém, Fortaleza, São Paulo e Porto Alegre. Outra novidade é que serão acompanhadas questões relativas à saude mental desses profissionais. "Muitas vezes, na correria, muitos não percebem que podem estar desenvolvendo sintomas de ansiedade e depressão. Existe um forte compontente de stress pós-traumático nessa situação, que afeta o emocional dos profissionais", afirma Fátima Militão.

O médico Márcio Sanctos, que trabalha com terapia intensiva nas redes pública e particular, está na linha de frente do combate à doença desde o início da pandemia. Em maio, teve o diagnóstico positivo para covid-19. Para ele, os momentos mais difíceis da pandemia foram no início, quando se tinha muitas dúvidas sobre como proceder nos atendimentos e os profissionais precisaram lidar com os casos graves com menos conhecimento do que se tem hoje. "Era muito angustiante a sensação de impotência. Eu sempre digo que o que nos faz conseguir botar a cabeça no travesseiro e dormir, mesmo atuando em UTI, é a certeza de que se fez tudo o que poderia se fazer. Nesses casos, a gente não sabia de fato se estava fazendo tudo o que era para ser feito, porque a literatura médica estava sendo feita ao mesmo tempo em que a pandemia acontecia", lembra. 

Para ele, isso impacta a saúde mental dos trabalhadores. "Conviver com essas incertezas, ver os pacientes graves e os que faleceram. Talvez não seja tão claro para quem não conviveu com essa realidade. Mas até as notícias eram dadas por telefone. Além do trabalho de assistência, o profissional também precisava conversar com os familiares por telefone. Se não é fácil dar notícias ruins pessoalmente, dessa forma é ainda mais difícil. Tudo isso em meio a uma tentativa diária de desfazer fake news. Não tenho dúvida de que isso impacta os profissionais."

As avaliações seguem sendo feitas e a expectativa da Fiocruz é de que os resultados finais sejam divulgados no primeiro semestre de 2021.

Resposta

Em nota, a SES informou que "desde o início da pandemia do novo coronavírus, tem monitorado permanentemente o abastecimento e os estoques de equipamentos de proteção individual (EPIs) das unidades da rede estadual de saúde" e que "durante todo o processo, não houve falta desses insumos, garantidos por meio de diversas ações para compra de itens, de acordo com as especificações técnicas recomendadas pelos órgãos de controle, visando garantir a segurança do profissional de saúde e dos pacientes."

A secretaria também falou sobre o afastamento de profissionais da saúde e testagem para quem trabalha na área. Confira a nota na íntegra:

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) informa que, desde o início da pandemia do novo coronavírus, tem monitorado permanentemente o abastecimento e os estoques de equipamentos de proteção individual (EPIs) das unidades da rede estadual de saúde. Durante todo o processo, não houve falta desses insumos, garantidos por meio de diversas ações para compra de itens, de acordo com as especificações técnicas recomendadas pelos órgãos de controle, visando garantir a segurança do profissional de saúde e dos pacientes.

Ao todo, mais de 30 milhões itens foram adquiridos. É importante frisar, ainda, que a SES-PE e as unidades da rede estadual têm feito um trabalho permanente de conscientização dos seus profissionais sobre o uso adequado e oportuno destes equipamentos.

Em relação ao afastamento de profissionais, Pernambuco foi pioneiro na criação, em abril, de uma portaria para regulamentar a questão. Entre as medidas, orientou-se o afastados de atividades que impliquem atendimento ao público externo de servidores e colaboradores enquadrados nos grupos de risco, como acima de 60 anos, gestantes e com comorbidades. Acima de 70 anos, a orientação era pelo trabalho remoto. Nessa última faixa etária, foram convocados médicos para atuar remotamente prestando teleorientação pelo aplicativo Atende em Casa.

O Estado ainda foi pioneiro na inclusão, também no início de abril, dos profissionais de saúde como prioritários para a testagem para a Covid-19. Desde então, mais de 50 mil fizeram o exame.

Por fim, a SES-PE ressalta seu comprometimento em implementar as medidas necessárias para proteger a atuação dos profissionais da rede estadual de saúde e para afastá-los de setores ou colocá-los em trabalho remoto quando necessário.

Comentários

Últimas notícias