Transporte público

Paulo Câmara propõe passagem gratuita para desempregados, fora do horário de pico; projeto vai à Alepe

O governo enviou o projeto à Alepe em caráter de urgência

Cássio Oliveira
Cássio Oliveira
Publicado em 05/03/2021 às 10:44
Notícia
FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
Proposta foi enviada para a Assembleia Legislativa - FOTO: FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
Leitura:

O Governo de Pernambuco enviou um Projeto de Lei para a Assembleia Legislativa do Estado (Alepe), nessa quinta-feira (5), com intuito de dar gratuidade no transporte público aos pernambucanos que estão desempregados. No mesmo dia, o presidente da Alepe, deputado estadual Eriberto Medeiros (PP), encaminhou a matéria para as comissões da Casa. 

A ideia é que as pessoas peguem o ônibus de forma gratuita, mas fora do horário de pico. "Estamos mandando um projeto de lei dando acesso gratuito aos ônibus para os desempregados. Essas pessoas terão 20 bilhetes de passagem gratuitos no mês, para se locomover fora do horário de pico", explicou o governador Paulo Câmara (PSB), em entrevista à TV Globo. A intenção é evitar mais aglomerações no transporte em meio à pandemia do novo coronavírus (covid-19).

>> Saiba quais serviços poderão funcionar em Pernambuco no período de restrição por causa da covid-19

>> TCE multa presidente do Grande Recife Consórcio por irregularidades em contratação de empresas de ônibus

>> Apesar de aglomerações na pandemia, Grande Recife Consórcio diz ofertar frota de ônibus 10% maior que a demanda

A proposta, denominada Programa de Transporte Social do Sistema de Transporte Público da Região Metropolitana do Recife - STPP/RMR, é direcionada aos usuários que residem no Grande Recife, demitidos a partir de março de 2020, e que ganhavam até dois salários mínimos.

“O nosso objetivo é concentrar os esforços para permitir aos desempregados um maior acesso ao transporte, especialmente aos que perderam o emprego durante a crise sanitária. Não mediremos esforços para minimizar os efeitos da pandemia junto à população”, afirmou o governador Paulo Câmara, que enviou o projeto à Alepe em caráter de urgência.

Na entrevista desta manhã, o governador foi questionado a respeito da constante reclamação dos pernambucanos que sofrem nos ônibus lotados, em meio à pandemia, quando aglomerações não são recomendadas. "Essa questão virou argumento para desacreditar todo o trabalho de prevenção feito na pandemia. Nosso sistema de transporte, como todos os sistemas do país, tem aglomerações, principalmente nos horários de pico. Temos agido desde o ano passado para diminuir os impactos, colocando dinheiro para que tenha mais ônibus, a gente sabe que é difícil, mas o sistema, da forma que foi pensado, com integrações, sai uma quantidade grande do metrô para o ônibus, que tem uma quantidade menor de assentos. As pessoas se angustiam, querem pegar aquela viagem, acham que não dá para esperar o próximo ônibus, muitas vezes ele vem de maneira célere, precisamos buscar minimizar os impactos", destacou.

A população precisa entender que, se puder, isso cabe a cada um, evitar ônibus lotados, esperar um que vai chegar. Monitoramos as linhas com mais gente, todos os dias, para que um ônibus saia e chegue outro.
Paulo Câmara, governador de Pernambuco

De acordo com o governador a frota aumentou em 200 ônibus e a passagem foi reduzida no horário social para retirar algumas pessoas do horário de pico. "Mesmo com pessoas apenas sentadas, e buscamos isso, sabemos que o pico é difícil, mas há o risco de contaminação, a gente busca aumentar a segurança, são seis terminais com obras, instalamos pias, reforçamos as limpezas, mas com ônibus lotado ou com menos gente, a orientação é usar mascara e higienizar a mão", disse. 

Entenda o projeto

Caso seja aprovada pelos deputados estaduais, a proposta pode alcançar aproximadamente 20 mil pessoas por mês, durante o período de um ano, podendo o benefício ser prorrogado pelo mesmo período. O usuário receberá crédito mensal de até 20 bilhetes do Anel A, segundo material enviado à imprensa. Esses créditos eletrônicos de viagens devem ser utilizados fora do horário de pico, para não pressionar o sistema de transportes. O custo do programa é de R$ 1,5 milhão por mês.

De acordo com o texto enviado à Alepe, a inscrição do candidato no programa será realizada pela Secretaria de Trabalho, Emprego e Qualificação, que deverá encaminhar os cadastros ao Grande Recife Consórcio de Transportes, observando os critérios de elegibilidade previstos no projeto.

Em fevereiro, o Conselho Superior de Transporte Metropolitano (CSTM) aprovou proposta de revisão tarifária baseada em estudos realizados pelo Grande Recife Consórcio de Transporte. Foi ratificada a criação de uma tarifa mais baixa no chamado “horário social”, fora do pico. Das 9h às 11h da manhã e das 13h30 às 15h30 da tarde, a passagem ficou mais barata, passando de R$ 3,45 para R$ 3,35 no Anel A, e de R$ 4,70 para R$ 4,60 no Anel B. Esse desconto se aplica exclusivamente nos dias úteis e com o uso do VEM Comum.

Comentários

Últimas notícias