Investigações

Suspeito de estupros em série teria agido em todo o Grande Recife, diz polícia

O homem foi recapturado pela polícia

Cássio Oliveira
Cássio Oliveira
Publicado em 04/05/2021 às 14:19
Notícia
DIEGO NIGRO/ACERVO JC IMAGEM
Pelo menos 14 vítimas teriam sido estupradas pelo suspeito - FOTO: DIEGO NIGRO/ACERVO JC IMAGEM
Leitura:

O homem, de 38 anos, recapturado pela Polícia Civil de Pernambuco em Jaboatão dos Guararapes, nessa segunda-feira (3), suspeito de cometer uma série de estupros, pode ter agido em toda a Região Metropolitana do Recife. 

Segundo a polícia, até o momento, 14 vítimas foram confirmadas por meio de reconhecimento e DNA. No entanto, a delegada Mariana Vilas Boas, da Delegacia de Proteção a Criança e Adolescente (DPCA) de Paulista, após a divulgação de imagens do suspeito em redes sociais, outras vítimas já teriam identificado o homem.

>> Polícia prende no Grande Recife homem suspeito de cometer ao menos 14 estupros

"Foram vítimas em todas as cidades da Região Metropolitana, cerca de 14 confirmadas através de exames, mas sabemos que há outras, pois várias reconheceram o agressor depois da divulgação de imagens em redes sociais quando ele foi preso", comentou Mariana Vilas Boas.

Segunda a polícia, as vítimas têm idades distintas, algumas menores de 18 anos. Mas, o modus operandi do suspeito era o mesmo. "A maneira peculiar de executar o crime que chamou a atenção da polícia. O agressor praticou todos de mesma forma. Ele utilizava arma branca, ameaçava as vítimas, subtraia os pertences das vítimas e, sem seguida, praticava o estupro. As vítimas foram submetidas a exames e foi constatado através da perícia forense que havia compatibilidade de material coletado, indicando ser o mesmo autor", comentou a delegada.

O homem foi preso inicialmente em 27 de abril e foi autuado em flagrante pela pratica de estupro tentado em Paulista. Na ocasião, populares bateram no suspeito e o detiveram até a chegada da viatura. "As investigações estavam avançadas e encontramos elo do autuado com os casos que vínhamos investigando, pedimos a prisão preventiva e durante as diligências ele se evadiu da delegacia. Ele foi recapturado e recolhido ao Cotel", afirmou a delegada Larissa Azedo.

Agora, a polícia pede que as vítimas se manifestem, mesmo que seja difícil, para ajudar o trabalho de investigação. "É um crime cruel e é difícil denunciar e reviver o momento, mas fazemos um apelo para que ele possa se punido por cada crime contra cada mulher. E precisamos dos registros", destacou a delegada Larissa Azedo, da 5ª Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher de Paulista.

Comentários

Últimas notícias