INVESTIGAÇÕES

Policiais são presos em Pernambuco suspeitos do desvio de mais de 300 armas

As armas desviadas estavam armazenadas no depósito da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core)

Larissa Lira
Cadastrado por
Larissa Lira
Publicado em 12/08/2021 às 22:00 | Atualizado em 13/08/2021 às 11:43
BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
OPERAÇÃO Policiais civis acusados de vender as armas para facções criminosas foram presos no ano passado - FOTO: BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
Leitura:

Com informações da TV Jornal 

A Polícia Civil de Pernambuco deflagrou, na manhã desta quinta-feira (12),  a 'Operação Reverso',  que cumpriu 18 mandados de prisão e 22 de busca e apreensão por desvio de 326 armas que estavam armazenadas no depósito da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), no Recife. Em coletiva, o órgão divulgou que dois policiais foram presos preventivamente, outros dois detidos temporariamente e um policial militar preso em flagrante. Eles são investigados pelos crimes de peculato, corrupção e comércio ilegal de arma de fogo. 

De acordo com a corporação, os profissionais estavam envolvidos em uma organização criminosa, que comercializa os armamentos no mercado ilegal. "As armas eram desviadas do patrimônio da Polícia Civil e comercializadas com os criminosos. Quem pagasse o preço exigido, ficava com o objeto", explicou o delegado Cláudio Castro.

Entre os armamentos desviados e comercializados, estavam espingardas, revólveres, pistolas e submetralhadoras, segundo a polícia. "Cumprimos 22 mandados de busca e apreensão, um deles no Pará, e 18 de prisão, visando esclarecer o desaparecimento das armas de fogo", completou o Chefe da Polícia Civil de Pernambuco, Nhemias Falcão. A Operação Reverso começou com as investigações em janeiro de 2021, logo após o “sumiço” das armas, e ainda não acabou, segundo o chefe de polícia. 

Entre os policiais civis, dois foram presos preventivamente e os outros dois temporariamente. O policial Militar, autuado em flagrante por porte ilegal de arma, pagou fiança e acabou sendo liberado. Já com os integrantes da organização criminosa que foram presos, os policiais apreenderam oito armas, R$ 40 mil em espécie e R$ 6 mil em cédulas falsas, além 3 quilos de um derivado de cocaína. A polícia investiga se as armas apreendidas estão entre as que foram subtraídas do estoque da Core. 

Para Nhemias, a ação é motivo de vergonha para a Polícia Civil. "Lamentamos que policiais tenham traído o juramento e os colegas de profissão. Não festejamos, mas estamos procurando dar as respostas que a sociedade merece diante desse crime cometido". 

Comentários

Últimas notícias