Pandemia

Bolsonaro conclama jejum nacional e diz que vai andar na rua de novo mesmo com pandemia de coronavírus

Presidente conversou com apoiadores na grade do Palácio da Alvorada

Gabriela Carvalho
Gabriela Carvalho
Publicado em 03/04/2020 às 11:58
Notícia
CAROLINA ANTUNES/PR
Exoneração de Valeixo foi assinada por Bolsonaro - FOTO: CAROLINA ANTUNES/PR
Leitura:

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido), na saída do Palácio da Alvorada, nesta quinta-feira (2), conclamou um jejum nacional para combater o coronavírus e ainda disse que vai andar nas ruas de novo. 

Bolsonaro falou a um pastor presente nas grades que "os governantes têm que sentir o que o povo está precisando” e logo em seguida disse "vamos às ruas sim". A informação é do colunista e repórter da Rádio Jornal, Romoaldo de Souza. O presidente já foi criticado anteriomente por sair às ruas durante a quarentena de combate ao contágio do coronavírus. 

>> 'Miséria, fome e violência' diz Bolsonaro sobre eventual desemprego na crise do coronavírus

>> Contra recomendações para prevenir coronavírus, Bolsonaro vai a mercado, conversa com ambulantes na rua e gera aglomerações

Ainda em conversa com apoiadores na grade da Alvorada, Bolsonaro comparou o coronavírus com uma "chuva" e que "70% vai se molhar".

"Esse vírus é igual a uma chuva, vai molhar 70% de vocês, certo? Isso ninguém contesta. E toda nação vai ficar livre de pandemia quando 70% for infectado e conseguir os anticorpos. Ponto final. Mas desses 70%, uma pequena parte, que são os idosos, quem tem problema de saúde, vai ter problema sério", explicou o presidente.

>> Bolsonaro pede desculpas após divulgar vídeo fake sobre desabastecimento devido ao coronavírus

Jair voltou a criticar os governadores pelas medidas de isolamento social contra o coronavírus e disse que governadores estão agindo "por demagogia". "Há uma disputa entre algumas autoridades de quem está mais preocupado com a vida de vocês”.

>> Bolsonaro chama governadores de radicais e volta a defender a reabertura do comércio

Jejum nacional

Em entrevista à Jovem Pan, nesta quinta-feira (2), o presidente disse que gostaria de um dia de jejum religioso contra o coronavírus. 

“Sou católico e minha esposa, evangélica. É um pedido dessas pessoas. Estou pedindo um dia de jejum para quem tem fé. Então, a gente vai, brevemente, com os pastores, padres e religiosos anunciar. Pedir um dia de jejum para todo o povo brasileiro, em nome, obviamente, de que o Brasil fique livre desse mal o mais rápido possível”.

Após fala do presidente, apoiadores de Bolsonaro começaram a convocar a população para participar do jejum no próximo domingo (5). 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias