Alvorada

Após participar de manifestações pedindo reabertura do comércio, Bolsonaro reafirma que defende a Constituição

O presidente falou com a imprensa e admiradores no Palácio da Alvorada nesta segunda-feira (20)

Gabriela Carvalho
Gabriela Carvalho
Publicado em 20/04/2020 às 9:51
Notícia
JOSÉ CRUZ/AGÊNCIA BRASIL
No último domingo (19), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) participou de ato que pedia, entre outras coisas, a volta do AI-5 - FOTO: JOSÉ CRUZ/AGÊNCIA BRASIL
Leitura:

Após participar de manifestações deste domingo (19) que pediam a reabertura do comércio e até uma intervenção militar por parte da população, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) falou, nesta segunda-feira (20), que apoia a democracia e a Constituição brasileira.

>> Manifestantes pedem intervenção militar em ato no Recife

>> Bolsonaro participa de manifestação no QG do Exército, em Brasília

O presidente reafirmou defesa da Constituição justificando apoio ao direito de ir e vir e criticou prisões de pessoas que burlam decretos da quarentena. "Eu até sou contra essas prisões que estão ocorrendo no Brasil. Prenderam mulher de biquíni na praia, prenderam mulher em praça em Araquara-SP, prisão de um aposentado da aeronáutica na praia de Boa Viagem. Eu sou realmente (pela) a Constituição", disse Bolsonaro na Alvorada. 

As prisões a que o presidente se refere são devido a medidas adotadas por governadores para reduzir aglomerações em espaços públicos no combate ao coronavírus.

>> Homem é detido após furar decreto para caminhar na praia de Boa Viagem e desacatar PM

Ainda na coletiva na Alvorada, Bolsonaro repreendeu bolsonarista que clamou fechamento do Congresso e disse que o Brasil era uma democracia, portanto, não haveria fechamento do Congresso.

"Aqui não tem isso de fechar nada. Aqui é democracia. Aqui é respeito à Constituição brasileira. Aqui é a minha casa e sua também, então peço que não fale coisas desse tipo aqui".

>> Secretário de Saúde da Bahia propõe termo de renúncia a leitos de UTI para pessoas que apoiam relaxamento do isolamento

O presidente voltou a criticar governadores pelas medidas adotadas na crise do coronavírus e disse que algumas medidas não estariam surtindo feito. "Em alguns estados essas medidas foram excessivas e não atingiram o seu objetivo. Aproximadamente 70% da população vai ser infectada, não adianta correr disso", justificou.

 

 

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias