BRASIL

Bolsonaro se reúne com simpatizantes em Brasília após testar negativo para o coronavírus

Presidente estava confirmado desde o dia 7 de julho

AFP
Cadastrado por
AFP
Publicado em 25/07/2020 às 16:23 | Atualizado em 25/07/2020 às 16:23
SERGIO LIMA / AFP
No dia 25, logo depois de tuitar que havia testado negativo para covid-19, o presidente também saiu para passear de moto em Brasília. - FOTO: SERGIO LIMA / AFP
Leitura:

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fez um passeio por Brasília e se reencontrou com simpatizantes após anunciar neste sábado (25) que testou negativo para o novo coronavírus. Bolsonaro estava confinado desde 7 de julho.

"RT-PCR para Sars-Cov 2: negativo. Bom dia a todos", escreveu em suas redes sociais, junto a uma foto sua sorrindo e segurando uma caixa de hidroxicloroquina durante seu café da manhã.

>> Presidente Bolsonaro testa positivo para coronavírus

O governante, de 65 anos, não contou quando foi feito o exame RT-PCR, que detecta o vírus mediante a análise das secreções nasais.

Depois do anúncio, Bolsonaro saiu para passear de motocicleta por Brasília e visitou alguns locais comerciais, causando pequenas aglomerações de pessoas que se aproximaram para saudá-lo, reportou a imprensa local.

SERGIO LIMA / AFP
Presidente fez passeio de motocicleta neste sábado (25) - SERGIO LIMA / AFP

"Não senti nada, nem no início. Se não me dissessem, não teria feito o teste, nem eu saberia que estava infectado com o vírus", disse o presidente.

Em seu retorno à residência oficial, o Palácio da Alvorada, o presidente - de máscara, mas sem manter uma distância adequada - aproveitou para tirar fotos com um grupo de simpatizantes que se mostraram felizes com sua recuperação.

O mandatário, que chamou a covid-19 de "gripezinha", garantiu que, pouco depois de seu diagnóstico, começou a tomar hidroxicloroquina. Ele defende o uso deste medicamento contra o coronavírus, embora sua eficácia não tenha sido comprovada cientificamente.

>> Gripezinha, histórico de atleta e aglomerações: a cronologia de Bolsonaro até contrair o coronavírus

>> "Depois da facada, não vai ser uma gripezinha que vai me derrubar", diz Bolsonaro sobre coronavírus

"Me sinto muito bem", apesar de "um pouco agoniado de estar trancado em uma sala", disse ele na quinta-feira em uma live no Facebook. Bolsonaro chegou a dizer que o confinamento era "horrível" e que não aguentava mais.

Cético quanto ao distanciamento social aplicado em vários Estados, o presidente permaneceu cerca de 20 dias cumprindo uma agenda remota no Palácio da Alvorada. Nesse período, foi submetido a outros três exames para a covid, que testaram positivo.

>> Cláudio Humberto: Os detalhes do primeiro exame de Bolsonaro para covid-19

>> Novo exame mostra que Bolsonaro ainda está contaminado pelo coronavírus

>> Após 15 dias afastado, Bolsonaro testa positivo para coronavírus outra vez

Mesmo tendo de cumprir um confinamento, o presidente foi visto neste mesmo dia passeando de moto e conversando sem máscara com funcionários na parte externa de sua residência oficial, segundo fotografias que circularam na imprensa brasileira.

Apesar de sua polêmica gestão da pandemia no país, três pesquisas nesta semana mostraram um crescimento acentuado de sua popularidade, apontando-o como favorito para as eleições de 2022.

Uma pesquisa publicada na sexta-feira pela revista Veja colocou Bolsonaro à frente de outros candidatos no primeiro turno, em uma hipotética disputa eleitoral. Ele teria de 27,5% a 30,7% das intenções de voto, a depender dos cenários.

De acordo com o portal Poder360, a aprovação de Jair Bolsonaro subiu de 40%, há duas semanas, para 43%, e o índice de desaprovação caiu ligeiramente: de 47% para 46%.

O Brasil é o país mais afetado pela pandemia na América Latina, e o segundo, no mundo, com 2,3 milhões de pessoas infectadas e mais 85 mil mortes, de acordo com dados oficiais.

SERGIO LIMA / AFP
Motoristas de outros veículos pagarão mais para trafegar nas rodovias concessionadas enquanto o presidente da República faz política para a reeleição - FOTO:SERGIO LIMA / AFP

Últimas notícias