Bolsonaro

Rejeição de Bolsonaro cai no Nordeste, aponta Datafolha

Presidente também teve melhor índice de aprovação no geral

Gabriela Carvalho
Gabriela Carvalho
Publicado em 14/08/2020 às 9:37
Notícia
ALAN SANTOS/PR
Pesquisa foi divulgada no final da noite dessa quinta-feira (13); - FOTO: ALAN SANTOS/PR
Leitura:

A pequisa lançada pelo Datafolha e divulgada pelo jornal "Folha de S.Paulo", na noite dessa quinta-feira (13), apontou uma queda da rejeição ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no Nordeste. A região ainda é a com mais avaliações negativas contra o presidente. 

Segundo a pesquisa, a queda da rejeição se dá, ainda que indiretamente, por conta do auxílio emergencial. Com o programa de auxílio emergencial à população mais carente, o governo amplificou a visibilidade de ações no reduto oposicionista do Nordeste.

>> Igor Maciel: Recuperação da popularidade de Bolsonaro é prova de que os críticos do presidente estavam corretos

Segundo o Datafolha, a rejeição a Bolsonaro caiu de 52% para 35% na região, na qual mantém a pior aprovação: 33% de ótimo e bom, subida de seis pontos em relação a junho.

A correlação com a distribuição do auxílio de R$ 600 é sugerida, ainda que não direta. Entre quem fez o pedido e o recebeu, 42% acham Bolsonaro ótimo e bom, ligeiramente acima da média geral. Só que 36% dos que não fizeram também acham isso. No Nordeste, onde vive 27% da população, 45% dos moradores recorreram ao instrumento, ante 40% no país todo.

A pesquisa foi realizada nos dias 11 e 12 de agosto, com 2.065 brasileiros por meio de telefone celular de todos os estados do Brasil. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

Sudeste

Bolsonaro também melhorou seu desempenho no Sudeste, região mais populosa do país. Ali, sua aprovação subiu de 29% para 36%, enquanto a rejeição caiu de 47% para 39%.

Continua sendo mais bem avaliado nos redutos do Sul e Norte/Centro-Oeste, onde amealha 42% de ótimo e bom. Uma das quedas mais significativas na rejeição ao presidente ocorreu entre os mais jovens (16 a 24 anos). Nesse grupo, o ruim e péssimo foi de 54% para 41%.

Comentários

Últimas notícias