Omissão de bens

Defesa de Flávio Bolsonaro tenta manter arquivamento de investigação eleitoral

O inquérito eleitoral foi instaurado após denúncia apresentada pelo advogado Eliezer Gomes da Silva

Estadão Conteúdo
Cadastrado por
Estadão Conteúdo
Publicado em 22/08/2020 às 19:36
Jane de Araújo/Agência Senado
Como senador, Flávio Bolsonaro recebe salário bruto de R$ 33,7 mil, que cai para R$ 24,9 mil após os descontos - FOTO: Jane de Araújo/Agência Senado
Leitura:

A defesa do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) apresentou um recurso para manter arquivada uma investigação em que ele é suspeito de falsidade ideológica eleitoral. A apuração busca saber se o filho do presidente Jair Bolsonaro omitiu bens e declarou valores distintos a um mesmo imóvel em declarações de bens entregues à Justiça Eleitoral em 2014 e 2016.

A defesa do senador quer que essa investigação permaneça arquivada e, para isso, entrou com recurso no Conselho Institucional do Ministério Público Federal (MPF), contra a decisão da 2ª Câmara de Coordenação e Revisão que determinou o prosseguimento do inquérito eleitoral.

>> Bolsonaro confirma prorrogação de auxílio emergencial até dezembro: "só não sei o valor"

>> No Nordeste, Bolsonaro agradece apoio "de parte" do Congresso após manutenção de veto a reajuste de servidores

No fim de maio, o promotor eleitoral Alexandre Themístocles, que integra o Ministério Público do Estado do Rio (MP-RJ) e era responsável pela investigação, pediu à Justiça o arquivamento do caso. O juiz Flávio Itabaiana, a quem cabia decidir sobre o pedido, discordou da decisão, e em 3 de junho enviou o caso para a Câmara do MPF e, na última segunda-feira, 17, decidiu pela continuidade da investigação.

O inquérito eleitoral foi instaurado após denúncia apresentada pelo advogado Eliezer Gomes da Silva. Segundo ele, em 2014, ao disputar a reeleição como deputado estadual no Rio, Flávio Bolsonaro declarou à Justiça Eleitoral ter um apartamento em Laranjeiras (zona sul do Rio) avaliado em R$ 565 mil. Dois anos depois, quando concorreu à Prefeitura do Rio, declarou o mesmo apartamento pelo valor de R$ 423 mil.

Em nota, a defesa afirma que a Polícia Federal, assim como os dois promotores eleitorais, também pediram o arquivamento e declararam que Flávio Bolsonaro não cometeu qualquer irregularidade. "Apesar de todos os pedidos e de todas as provas que isentam o parlamentar, a investigação continua aberta. A defesa quer apenas que se respeite o arquivamento solicitado pelo próprio Ministério Público", diz a nota.

Comentários

Últimas notícias