ONU

Bolsonaro: Brasil contribuiu para que mundo continuasse alimentado

"O homem do campo trabalhou como nunca, produziu, como sempre, alimentos para mais de 1 bilhão de pessoas. O Brasil contribuiu para que o mundo continuasse alimentado", disse

Agência Estado
Agência Estado
Publicado em 22/09/2020 às 12:05
Notícia

REPRODUÇÃO/TV BRASIL
Em virtude da pandemia do novo coronavírus, a 75ª Assembleia Geral da ONU é realizado online - FOTO: REPRODUÇÃO/TV BRASIL
Leitura:
No discurso, por vídeo, na abertura da 75ª edição da Assembleia-Geral das Nações Unidas (ONU), o presidente Jair Bolsonaro destacou que apesar da crise mundial, a produção rural no Brasil não parou. "O homem do campo trabalhou como nunca, produziu, como sempre, alimentos para mais de 1 bilhão de pessoas. O Brasil contribuiu para que o mundo continuasse alimentado", disse. Ele citou que caminhoneiros, marítimos, portuários e aeroviários mantiveram ativo todo o fluxo logístico para a distribuição interna de produtos e alimentos e também para a exportação.
"Nosso agronegócio continua pujante e, acima de tudo, possuindo e respeitando a melhor legislação ambiental do planeta", disse, voltando às críticas de que "mesmo com todas essas iniciativas, o Brasil é vítima de uma das mais brutais campanhas de desinformação sobre a Amazônia e o Pantanal".
Antes, Bolsonaro afirmou que a pandemia do novo coronavírus deixou a lição de que uma nação não pode ter dependência para a produção de insumos e meios essenciais para a sobrevivência.
"Somente o insumo da produção de hidroxicloroquina sofreu um reajuste de 500% no início da pandemia. Nesta linha, o Brasil está aberto para o desenvolvimento de tecnologia de ponta e inovação, a exemplo da indústria 4.0, da inteligência artificial, nanotecnologia e da tecnologia 5G, com quaisquer parceiros que respeitem nossa soberania, prezem pela liberdade e pela proteção de dados", frisou.
 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias