Presidente

'Ninguém vai ser obrigado a tomar vacina', diz Bolsonaro sobre imunização contra covid-19

Bolsonaro voltou a reafirmar sua posição contrária à obrigatoriedade da vacina contra a covid-19

Agência Brasil JC
Agência Brasil
JC
Publicado em 14/01/2021 às 23:13
Notícia
REPRODUÇÃO DE VÍDEO
Pazuello e Bolsonaro na live desta quinta-feira (14) - FOTO: REPRODUÇÃO DE VÍDEO
Leitura:

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a reafirmar sua posição contrária à obrigatoriedade da vacina contra a covid-19. Na live desta quinta-feira (14), o presidente afirmou que "ninguém vai ser obrigado a tomar vacina".

>> Chega ao Aeroporto do Recife avião que buscará vacina contra covid-19 na Índia

>> Prefeitos afirmam que Pazuello apontou 20 de janeiro como data de início da vacinação

>> Covid-19: confira quem será vacinado nos primeiros dias da campanha em Pernambuco

"A vacina é de graça e, no que depender, de nós, voluntária. Ninguém vai ser obrigado a tomar vacina. Se não quiser tomar, não tome, é um direito seu! Afinal de contas, é algo emergencial, não temos comprovação", disse Bolsonaro.

Colapso na saúde em Manaus

A falta de oxigênio em hospitais de Manaus, no Amazonas, também foi assunto da transmissão. O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, reconheceu nesta quinta-feira (14) que há um novo colapso no sistema de saúde de Manaus em decorrência da pandemia de covid-19.

"Eu considero que sim, há um colapso no atendimento de saúde em Manaus. A fila para leitos cresce bastante, já estamos hoje com 480 pessoas na fila. E a realidade da diminuição na oferta de oxigênio – não é a interrupção, senhores, é a diminuição na oferta de oxigênio. Todo o tratamento da covid é baseado em alguma oferta de oxigênio. Estamos priorizando esse oxigênio para atender as UTIs [unidades de terapia intensiva]", disse.

De acordo com o ministro, um total de seis voos da Força Aérea Brasileira (FAB) levará um estoque adicional de cerca de 30 mil metros cúbicos de oxigênio à capital amazonense ao longo dos próximos dias. Também está previsto, segundo ele, o envio de oxigênio por vias fluvial e terrestre a partir de Belém e Porto Velho. Nos últimos dias, apenas na capital amazonense, a demanda diária de oxigênio chega a ser de cerca de 75 mil metros cúbicos, como informou o próprio Pazuello.

O ministro esteve pessoalmente no Amazonas nos últimos dias acompanhando de perto a situação e se reuniu com autoridades locais. Mais cedo, o governador do estado, Wilson Lima, anunciou medidas drásticas para conter a disseminação da doença, incluindo um decreto de toque de recolher.

Ao comentar sobre as razões para o agravamento da situação no estado, Pazuello atribuiu a situação ao clima, à falta de estrutura hospitalar e à baixa adesão ao protocolo de tratamento precoce recomendado pelo governo federal, que inclui o uso de medicamentos como hidroxicloroquina e azitromicina – ainda sem comprovação científica de eficácia contra a doença.

"No período chuvoso, a umidade fica muito alta e você começa a ter complicações respiratórias, esse é um fato. Um outro fator: Manaus não teve a efetiva ação no tratamento precoce com diagnóstico clínico no atendimento básico e isso impactou muito a gravidade da doença. Por outro lado, a infraestrutura hospitalar de atendimento especializado é bastante reduzida em Manaus, em termo de percentual. É um dos menores percentuais do país".

Sobre o início da vacinação contra a covid-19, o ministro voltou a dizer que a distribuição das doses começará ainda em janeiro, mas não informou uma data específica. Segundo Pazuello, a expectativa da pasta é que o Brasil alcance níveis de imunização superiores aos de outros países que já iniciaram a vacinação graças à produção própria do imunizante.

"Vamos, em janeiro, iniciar a vacinação. E, a partir do início, com 2, 6 ou 8 milhões de doses, já em janeiro, vamos nos tornar o segundo, talvez o primeiro, dependendo dos Estados Unidos, o país que mais vacinou no mundo. E quando nós entrarmos em fevereiro, com a nossa produção em larga escala, e nosso PNI [Programa Nacional de Vacinação], que tem 45 anos, nós vamos ultrapassar todo mundo, inclusive os Estados Unidos".

Comentários

Últimas notícias