ALIANÇAS

Em 2022, com certeza vamos estar do mesmo lado, diz Paulo Câmara sobre PDT

No entanto, essa aliança dependerá da forma como o PSB deverá se posicionar caso a candidatura do ex-presidente Lula à presidência da República seja consolidada

Mirella Araújo
Mirella Araújo
Publicado em 26/04/2021 às 21:15
Notícia
Fotos: Hélia Scheppa
O governador Paulo Câmara classificou como "êxito eleitoral" as alianças formalizadas entre o PSB e PDT em diversos municípios nas eleições de 2020 - FOTO: Fotos: Hélia Scheppa
Leitura:

“Em 2022, com certeza vamos estar do mesmo lado progressista, que é o lado que quer ver o Brasil sendo administrado de forma diferente dos dias atuais”. A afirmação do governador Paulo Câmara, que também é vice-presidente nacional do PSB, vem para tentar minimizar a possibilidade de o PDT desembarcar do arco de alianças dos socialistas, tanto a nível nacional quanto estadual, dado ao movimento de reaproximação do partido com o PT.

O gestor rememora a aliança, classificada por ele como "exitosa", entre o PSB e PDT, nas eleições municipais de 2020, citando como exemplo a eleição do prefeito do Recife, João Campos (PSB), e da vice-prefeita Isabella de Roldão (PDT). E também fez acenos aos presidentes estadual e nacional da legenda pedetista. “O PDT aqui é muito bem conduzido pelo Wolney Queiroz, nacionalmente é muito bem conduzido pelo Carlos Lupi, e nós estamos sempre conversando. Vamos estar juntos por um Brasil melhor”, declarou Paulo Câmara, em entrevista à Rádio CBN, nesta segunda-feira (26).

>>Relação do PDT com o PSB é mais importante que diálogo de momento com Lula, diz Lupi

>>Fator "Lula" na campanha eleitoral de 2022 pode trazer PT e PSB para o mesmo palanque

>>João Campos defende que PSB lance candidato próprio, em meio à aproximação com Lula

No entanto, o clima harmônico em prol dessa união dependerá do fato sobre como os socialistas vão se posicionar caso o ex-presidente Lula entre realmente na disputa pela presidência da República. O presidente estadual do PDT, Wolney Queiroz, deixou claro que Pernambuco terá um palanque para o presidenciável Ciro Gomes, conforme já havia endossado o secretário geral e presidente municipal do PDT, Fábio Fiorenzano, ao JC.

“Se o PSB estiver com o PT em Pernambuco, estaremos em outro palanque”, afirmou Queiroz, à Folha de Pernambuco. Mas acrescentou: "Acredito que o PSB continua sendo um parceiro preferencial do PDT nacionalmente". Para o governador de Pernambuco, é inegável que o ex-presidente Lula será um ator importante em 2022 e que esse cenário precisa ser discutido dentro do PSB. Inclusive, há uma nova reunião prevista para ocorrer nos próximos dias entre os socialistas e os dirigentes do PT.

“O PSB não vai se omitir em fazer essa discussão com todos do campo progressista, seja do PT, do PDT e dos outros partidos que fazem a Frente Popular e querem mudar o Brasil. Ou seja, querem trabalhar de uma forma diferente do que o Brasil está sendo gerido nos últimos anos. Nós não concordamos com a forma com que o presidente Bolsonaro vem administrando o Brasil, e queremos em 2022 mudanças”, destacou Paulo Câmara.

Questionado sobre ter seu nome ventilado para compor a chapa do líder petista, na condição de vice, o governador preferiu não comentar o assunto, afirmando que as eleições serão tratadas a partir do ano que vem. “O povo de Pernambuco me concedeu essa oportunidade de governar o Estado, pela segunda vez, até 31 de dezembro de 2022 e nós vamos trabalhar”, declarou.

“Eu tive a satisfação de conversar com o ex-presidente Lula, tão logo as suas sentenças foram anuladas pelo Supremo Tribunal Federal e foi uma conversa em favor do Brasil, em favor do futuro, mas deixando muito claro, tanto o presidente quanto nós do Partido Socialista Brasileiro, que estavam presentes nessa reunião, que esse é o momento de conversar para ajudar o Brasil a superar essa pandemia e 2022 se conversar sobre questões eleitorais, esse assunto ficará para um segundo momento e é o correto principalmente diante de tantos desafios que estamos vivendo”, complementou o chefe do Executivo estadual.

REFORMA

O governador Paulo Câmara não especificou quais passos serão dadas na reforma administrativa estadual, do qual se refere apenas como “ajustes”. Diante da insatisfação de partidos aliados com a atenção dada pela gestão do PSB, o governador disse apenas que tem mantido conversas com as legendas que compõem a Frente Popular. “Estamos sempre fazendo ajustes, olhando cada cenário e cada participante desse processo”, afirmou.

“Há uma conscientização muito grande de que todo conjunto de esforços que está tendo é para a ir ao enfrentamento da pandemia e que outras questões, a gente vai ajustando a medida que haja necessidade e no que for possível, mas nós estamos realmente muito focados a cuidar dessa pandemia e fazer com que os outros serviços públicos que o estado tenha responsabilidade eles funcionem a contento”, declarou o governador, em resposta a reportagem.

Comentários

Últimas notícias