depoimento

Pazuello diz que Ministério da Saúde tinha estratégia de testagem em massa

De acordo com Pazuello, o "Diagnosticar para Cuidar" foi implementado ainda durante sua gestão como secretário-executivo da Saúde, sendo a base de tudo que foi realizado com relação à testagem no País

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 19/05/2021 às 13:51
Notícia
JEFFERSON RUDY/AGÊNCIA SENADO
Nas demais declarações prestadas ontem e nesta quinta, o ex-ministro, general do Exército, buscou blindar Bolsonaro e negar interferências do presidente - FOTO: JEFFERSON RUDY/AGÊNCIA SENADO
Leitura:
Em depoimento à CPI da Covid, o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello afirmou que a pasta tinha um planejamento nacional para testagem da população brasileira. De acordo com Pazuello, o "Diagnosticar para Cuidar" foi implementado ainda durante sua gestão como secretário-executivo da Saúde, sendo a base de tudo que foi realizado com relação à testagem no País.
Questionado sobre a retirada do plano do nacional de contingência da atribuição do Ministério da Saúde garantir os insumos para diagnóstico da covid-19, que foi alterada para "subsidiar a rede laboratorial quantos aos insumos", Pazuello afirmou que a retirada tem a ver com uma posição do Sistema Único de Saúde (SUS). Segundo ele, nos planejamento e nas ações do Ministério da Saúde, ele não pode "interferir" nas ações dos Estados e municípios e "usurpar" responsabilidades desses entes federativos.

A atribuição do ministério de garantir medicamentos estratégicos para Estados e municípios - que também foi alterada para "subsidiar insumos laboratoriais" - também foi questionada pelo relator da CPI, o senador Renan Calheiros (MDB-AL). Neste caso, Pazuello voltou a defender que alteração, afirmando que ela aconteceu para "ajustar" as ações do Ministério e as responsabilidades dos Estados e municípios.
O ex-ministro negou que a alteração tenha sido um "subterfúgio" para driblar uma decisão do Tribunal de Contas da União (TCU), que determinava que o Ministério da Saúde teria que garantir e monitorar estoque estratégico de medicamentos para o atendimento de casos suspeitos e confirmados de covid-19, além de monitorar o estoque de medicamentos no âmbito federal e estadual.

Testes

Pazuello também falou sobre o caso revelado pelo Estadão/Broadcast em novembro do ano passado, que expôs que 6,86 milhões de testes para o diagnóstico da covid-19 comprados pelo Ministério da Saúde estavam encalhados em um armazém em São Paulo, e em breve perderiam a validade caso não fossem distribuídos a Estados e municípios.
O ex-ministro afirmou que os testes foram adquiridos pela gestão anterior, mas que nenhum deles foi perdido. Segundo Pazuello, a extensão do período de validade dos testes pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) fazia parte do processo, reforçando que a distribuição dos testes era feita por demanda dos Estados e municípios.
 

Últimas notícias