General

Exército decide não punir Eduardo Pazuello por participar de ato com Bolsonaro

O militar participou de ato no Rio de Janeiro

Cássio Oliveira
Cássio Oliveira
Publicado em 03/06/2021 às 16:20
Notícia
ALAN SANTOS/PR
ATO POLÍTICO Para deputados, decisão abre brecha para que outros militares tenham atuação política - FOTO: ALAN SANTOS/PR
Leitura:

Em nota, o Exército Brasileiro informou nesta quinta-feira (3) que não vai punir o general e ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello pela participação em um evento político com o presidente da República, Jair Bolsonaro, no Rio de Janeiro.

"Acerca da participação do General de Divisão Eduardo Pazuello em evento realizado na Cidade do Rio de Janeiro, no dia 23 de maio de 2021, o Centro de Comunicação Social do Exército informa que o Comandante do Exército analisou e acolheu os argumentos apresentados por escrito e sustentados oralmente pelo referido oficial-general. Desta forma, não restou caracterizada a prática de transgressão disciplinar por parte do General Pazuello. Em consequência, arquivou-se o procedimento administrativo que havia sido instaurado", diz a nota assinada pelo Centro de Comunicação Social do Exército.

>> Pazuello deve ir para a reserva após presença em aglomeração liderada por Bolsonaro

>> Sem máscara e escoltado por mil policiais, Bolsonaro faz passeio de moto no Rio; veja vídeo

>> CPI da Covid critica aglomeração liderada por Bolsonaro; Eduardo Pazuello e Marcelo Queiroga são reconvocados

Na sua defesa, Pazuello argumentou que o passeio de moto no Rio não representou um evento político-partidário. Também lembrou que não é um período eleitoral e que o presidente Bolsonaro sequer está filiado a algum partido. O Regulamento Disciplinar do Exército e pelo Estatuto das Forças Armadas proíbe a participação de militares da ativa em manifestações políticas. No ato que gerou o procedimento disciplinar, Pazuello chegou a subir em um trio elétrico onde Bolsonaro discursava a motoqueiros.

No ato do dia 23, o general chegou de máscara ao local, mas a tirou para subir no trio e ser elogiado pelo ex-chefe. “Esse é o gordo do bem. É o gordo paraquedista. O nosso ministro conduziu com muita responsabilidade (a pasta)”, elogiou o presidente, abraçando o aliado. Pazuello fez coro e cumprimentou os apoiadores do mandatário. A participação de Pazuello gerou críticas. O PSDB emitiu posição, pelas redes sociais, afirmando que “um general de Divisão do Exército Brasileiro participando de um evento de natureza política não condiz e não respeita a instituição da qual faz parte”.

A decisão acaba indo de encontro à vontade do presidente, que não queria que seu aliado fosse punido. Mas também amplia o desgaste das Forças Armadas com o governo, já que a punição para o general era defendida por muitos oficiais de alta patente.

Comentários

Últimas notícias