Manifestação

Recife terá primeiro ato contra Bolsonaro após violência policial que deixou duas pessoas parcialmente cegas

Ação policial no último dia 29 de maio deixou dois homens cegos de um dos olhos após uso de bala de borracha pelo Batalhão de Choque

JC
JC
Publicado em 18/06/2021 às 15:28
Notícia
FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
Protesto no dia 29 de maio. no Centro do Recife, foi reprimido pela polícia - FOTO: FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
Leitura:

Vinte dias depois do protesto contra Jair Bolsonaro e em favor de vacinas contra covid-19, no Recife, que foi dispersado de forma violenta pela Polícia Militar de Pernambuco, manifestantes voltas às ruas da capital, neste sábado (19), para pedir mais uma vez a saída do presidente da República do cargo.

Há expectativa pelo comportamento do Governo do Estado nos atos, visto que a última manifestação, em 29 de maio, terminou com ação truculenta da polícia, dispersando os manifestantes com balas de borracha, spray de pimenta e bombas de gás lacrimogênio. Na ocasião, dois homens que sequer participavam do ato, foram atingidos e perderam a visão dos olhos atingidos.

>> Ato com aglomeração contra Bolsonaro no Recife é dispersado pela polícia com balas de borracha e gás de pimenta

>> 'Não é hora de palco', dizem deputados de esquerda sobre CPI para investigar ação policial em protesto no Recife

>> Episódio no Recife reavivou a velha discussão sobre a questão da violência policial

Daniel Campelo, 51, e Jonas Correia, 29, foram cegados pelas balas de borracha disparadas na ocasião. Jonas descia a ponte Princesa Isabel levando carne moída para jantar. Viu a aglomeração e fez uma chamada de vídeo para a esposa, quando foi atingido. Daniel passou em um restaurante para cumprimentar amigos e quando se aproximou dos policiais ergueu as mãos. "Fiz isso para eles verem que eu não estava no protesto". De nada adiantou, ele também foi atingido.

Sobre o ato deste sábado (19), o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) já se pronunciou e expediu recomendação aos organizadores que se abstenham de qualquer tentativa de aglomeração, em respeito às normas sanitárias para prevenção de contágio ao novo coronavírus (covid-19).

As manifestações foram convocadas nas redes sociais pelas frentes Povo sem Medo e Brasil Popular, além da Rede Nacional de Médicas e Médicos Populares, do Partido dos Trabalhadores (PT), do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), da Central Única dos Trabalhadores (CUT), da União Nacional dos Estudantes (UNE) e da União dos Estudantes de Pernambuco (UEP). A concentração acontece às 9h, com concentração na Praça do Derby. Os grupos pretendem sair em caminhada pela Avenida Conde da Boa Vista em direção a Avenida Guararapes, local onde o Batalhão de Choque os esperava da última vez.

Após a ação do último dia 29 de maio, policiais foram afastados e houve troca tanto no comando da Polícia Militar quanto na Secretaria de Defesa Social. As investigações para apurar de onde partiu a ordem para a repressão e para encontrar os responsáveis pelos disparos vêm sendo conduzidas pela Polícia Civil e pela Corregedoria da SDS. 

Comentários

Últimas notícias