Covaxin

Covaxin: 'não tenho que responder perguntas de idiotas', diz Bolsonaro no RN

O negócio entre o governo federal e a fabricante indiana da Covaxin, representada no Brasil pela Precisa Medicamentos, é um dos principais focos das investigações da Comissão Parlamentar de Inquérito da Covid, no Senado

Estadão Conteúdo
Cadastrado por
Estadão Conteúdo
Publicado em 24/06/2021 às 13:19
AFP
Até a semana passada, Jair Bolsonaro enchia os pulmões de ar para bradar que no governo dele não havia corrupção - FOTO: AFP
Leitura:
O presidente Jair Bolsonaro voltou a declarar nesta quinta-feira que seu governo permanece sem registrar nenhuma caso de corrupção e tentou minimizar a repercussão da compra de vacinas contra a covid-19 por mais de dez de vezes acima do preço, conforme revelou o Estadão/Broadcast Político. De acordo com o presidente, não adianta a imprensa "inventar" histórias sobre a vacina da Covaxin, pois o governo não recebeu nenhuma dose do imunizante, e, caso exista alguma irregularidade, o Executivo irá apurar.
O negócio entre o governo federal e a fabricante indiana da Covaxin, representada no Brasil pela Precisa Medicamentos, é um dos principais focos das investigações da Comissão Parlamentar de Inquérito da Covid, no Senado. Entre os previstos para serem ouvidos pelos senadores estão o deputado Luis Miranda (DEM-DF), que denunciou a Bolsonaro as supostas irregularidades e o empresário Francisco Maximiano, sócio da Precisa.
Durante visita técnica à Barragem de Oiticica, no Rio Grande do Norte, Bolsonaro retomou seu discurso nacionalista e repetiu que "Deus, pátria, família e bandeira verde e amarela" não existiam no País "há até pouco tempo". O presidente voltou a atacar a imprensa, disse que não tem que dar entrevistas. "Eu não tenho que responder perguntas de muitos idiotas, que o tempo todo, só veem defeito na gente", declarou para em seguida retomar a defesa do voto impresso em 2022.
Durante o evento, o ministro das Comunicação, Fábio Faria, que acompanhou a comitiva do presidente Bolsonaro, fez ataques à governadora Fátima Bezerra (PT). O ministro criticou o anúncio de compras de imunizantes feito pela governadora, chamando-a de mentirosa e argumentando que "todas as vacinas até hoje aplicadas no Brasil foram compradas, adquiridas e pagas pelo presidente".
Em sua chegada ao Estado, Bolsonaro novamente provocou aglomerações. Como costuma fazer em todas as viagens, caminhou sem máscara, cumprimentou apoiadores com abraços e apertos de mão. Acompanharam o presidente, além do ministro das Comunicações, o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, e o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno.
 

Últimas notícias