SENADO

Entenda por que Omar Aziz mandou prender Roberto Dias durante depoimento à CPI da Covid

O presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM) alegou que o ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde mentiu à comissão

Amanda Azevedo Agência Senado
Amanda Azevedo
Agência Senado
Publicado em 07/07/2021 às 19:51
Notícia
Waldemir Barreto/Agência Senado
Momento em que Aziz deu voz de prisão a Dias - FOTO: Waldemir Barreto/Agência Senado
Leitura:

O presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM), deu voz de a prisão ao ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde Roberto Dias nesta quarta-feira (7). Aziz alegou que Dias mentiu à comissão.

"Não aceito que a CPI vire chacota. Nós temos 527 mil mortos e os caras brincando de negociar vacina! Ele está preso por perjúrio, e que a advogada me processe", indignou-se Aziz.

Foi a primeira prisão determinada pela CPI da Covid.

Qual teria sido a mentira de Roberto Dias?

Dias foi acusado de mentir aos senadores em relação à acusação de pedir propina no episódio da oferta de 400 milhões de doses da vacina da AstraZeneca pela empresa americana Davati.

Ao longo de todo o depoimento, de mais de sete horas, os senadores pressionaram o depoente a falar a verdade sobre encontro ocorrido em um restaurante de Brasília, em 25 de fevereiro, entre ele, o cabo da PM-DF Luiz Paulo Dominguetti, suposto representante da Davati, e o coronel Marcelo Blanco, ex-diretor-substituto de Logística do ministério. Dias afirmou que o encontro foi casual, mas áudios atribuídos a Dominguetti, apresentados na CPI, desmentiram sua versão.

No áudio, ouve-se Dominguetti afirmando a um interlocutor: "Quem vai assinar é o Dias. Quinta tem uma reunião pra finalizar com o ministério. Nós estamos tentando tirar do OPAS [Organização Panamericana da Saúde] para ir para o Dias direto. Essa conversa que eu estou tendo contigo é em off. O Dias vai ligar para o Cristiano [CEO da Davati no Brasil] e conversar com o Herman [Cardenas, CEO da Davati] ainda hoje (...). Já cientificando a turma que a vacina está à disposição do Brasil. Se o pagamento for via AstraZeneca, melhor ainda".

Grande parte do depoimento girou em torno do encontro ocorrido no dia 25 de fevereiro. O depoente afirmou que estava tomando chope com um amigo (José Ricardo Santana, ex-diretor da Agência de Vigilância Sanitária) quando Blanco veio à sua mesa, apresentando-lhe Dominguetti. No início do depoimento desta quarta, Dias afirmou que "possivelmente" o coronel Blanco sabia que ele estaria naquele local; horas depois, mudou de versão, admitindo que "ele sabia que eu estaria no restaurante, mas eu não sabia que ele estaria com uma pessoa representante de vacina".

Segundo o depoente, ao ouvir de Dominguetti a proposta de venda de 400 milhões de doses de vacinas, ele pediu que fosse formalizada reunião no Ministério da Saúde. Nessa reunião, ocorrida no dia seguinte, "o assunto morreu" quando Dias constatou que Dominguetti não tinha como provar o vínculo da Davati com a AstraZeneca. O ex-diretor contou que chegaram ao ministério diversas propostas de venda de vacinas, citando especificamente a feita pelo reverendo Amilton Gomes de Paula, em nome de uma entidade não-governamental chamada Senah (sigla de "Secretaria Nacional de Assistência Humanitária").

A advogada do ex-diretor protestou e afirmou que a prisão era uma ilegalidade.

O que disse Dominguetti 

Em depoimento à CPI, Dominguetti disse que, no restaurante, Dias teria feio o pedido de majoração do preço, com o acréscimo de US$ 1 a dose.

"Nunca se buscou uma facilidade por parte dele [Roberto Dias]. Essa facilidade não ocorreu porque ele sempre colocou o entrave no sentido de que, se não se majorasse a vacina, não teria aquisição por parte do ministério", afirmou Dominguetti. A proposta de propina teria sido feita exclusivamente por Dias.

O representante comercial garantiu aos senadores que informou o ocorrido ao CEO da empresa no Brasil e que não foi dado prosseguimento diante da proposta do então diretor de Logística do ministério.

"Na conversa, ele disse: nós temos de melhorar esse valor. Eu disse que teria de tentar um desconto, mas aí ele falou que seria melhorar para mais, para aumentar em US$ 1. Eu disse que não seria possível. Ele disse para eu pensar direitinho, que no dia seguinte seria chamado ao ministério", relatou Dominguetti.

 

Comentários

Últimas notícias