Pensão especial

Nenhuma pensão especial para dependentes de servidores que faleceram de covid-19 foi concedida até o momento

De acordo com a Secretaria de Administração de Pernambuco, foram protocolados cerca de 30 pedidos de concessão da pensão especial, nos termos da lei. Todos esses pedidos estão em análise atualmente

Luisa Farias
Cadastrado por
Luisa Farias
Publicado em 31/08/2021 às 20:02
FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
EM ANÁLISE Trinta famílias de servidores que morreram na linha de frente esperam pela pensão da SAD - FOTO: FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
Leitura:

Desde a sanção da lei que concede pensão especial para dependentes de servidores estaduais de Pernambuco que faleceram em decorrência da covid-19, no dia 17 de abril de 2020, nenhum benefício foi concedido.

A pensão especial está prevista na Lei Complementar nº 247/2020. Ela complementa a pensão por morte já instituída e pode ser concedida para os dependentes de servidores da ativa que trabalhavam em serviços essenciais e faleceram de covid-19. 

Segundo informou a Secretaria de Administração de Pernambuco ao JC, há registros do falecimento de 200 servidores ativos em geral em decorrência da covid-19. Ainda de acordo com a pasta, foram protocolados cerca de 30 pedidos de concessão da pensão especial, nos termos da lei. Todos esses pedidos estão em análise atualmente. 

"A SAD esclarece que as demandas são analisadas à luz da legislação e devidamente processadas para que haja a publicação das respectivas concessões. É importante salientar que a pensão especial é um complemento à pensão previdenciária e, portanto, deve ser requerida após a concessão da pensão por morte", disse a secretaria ao JC. 

De acordo com a lei, o valor da pensão especial correspondente ao montante necessário para atingir a remuneração integral do servidor falecido. Isso quer dizer que, independentemente do servidor não ter atingido o tempo de contribuição e idade para receber aposentadoria integral antes de falecer, os dependentes têm o direito à pensão integral.

São considerados serviços essenciais os das áreas de saúde, segurança pública, prevenção e assistência social, transporte público, infraestrutura e recursos hídricos, abastecimento de água, segurança alimentar, sistema prisional e socioeducativo e defesa do consumidor.

O JC questionou qual comunicação é feita para que os dependentes desses servidores tenham conhecimento sobre a lei. A Secretaria de Administração afirmou que o Governo de Pernambuco vai promover uma "ampla campanha para reforçar a divulgação do benefício" para garantir o direito dos familiares dos servidores da linha de frente contra a covid-19. 

Líder da oposição

O assunto veio à tona em 19 de agosto, quando o líder da oposição na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), Antonio Coelho (DEM), cobrou a aplicação da Lei Complementar que instituiu o benefício, durante a sessão remota da Casa. 

Antonio Coelho disse ter tido conhecimento de que a Lei Complementar nº 427 não estaria sendo aplicada, e acusou o governador Paulo Câmara de omissão. "Foi uma nobre iniciativa desse parlamento de garantir aqui esse compromisso com todos aqueles que estavam se sacrificando tanto, em último caso a sua vida, para garantir que serviços essenciais, como educação, saúde e segurança, permanecessem durante o pior momento da pandemia e até os dias de hoje. Entretanto, foi um compromisso firmado que não está sendo cumprido. O governador Paulo Câmara está renegando a sua palavra", afirmou o líder oposicionista.

O democrata informou que teve acesso a um parecer da Procuradoria Geral do Estado de Pernambuco (PGE-PE) - Cota nº 236/2021 - em que o órgão afirma que a Lei Complementar nº 427 só poderiam ser aplicados após a sua regulamentação, por meio de um decreto do governo estadual.

"A gente tem que avaliar com muito cuidado se quando essa Assembleia faz uma lei, se quando o governador sanciona essa lei, as pessoas não vão mais acreditar por conta de algum subterfúgio só porque o governador ainda não regulamentou", completou o deputado.

Na data da publicação da matéria sobre as declarações do líder da oposição, em 20 de agosto, o JC procurou a SAD para questionar se a lei não estava sendo aplicada. A pasta enviou uma nota afirmando que a pensão especial é um direito da família do servidor falecido por covid-19 e deve ser requerida por ela, por se tratar de um complemento à pensão previdenciária.

"O Governo informa, ainda, que na medida do protocolo dos requerimentos, e após verificada a causa mortis pelo novo coronavírus, as pensões dessa natureza devem ser concedidas, garantindo, assim, o direito conferido às famílias pelo próprio Estado", diz trecho da nota.

Ainda de acordo com a Secretaria de Administração (SAD), a lei é autoaplicável e, portanto, não precisaria de regulamentação como Antonio Coelho afirmou.

O artigo 6º da lei diz que a lei entra em vigor na data de sua publicação "retroagindo seus efeitos a 11 de março de 2020". A pasta informou que reforçaria a comunicação sobre a lei para evitar que as família deixem de dar entrada no pedido de pensão integral por desconhecerem a lei. 

Comentários

Últimas notícias