Impeachment

Veja quais são os políticos da esquerda que já aderiram à manifestação do MBL pelo impeachment de Bolsonaro

"Todos aqueles que realmente querem a saída de Bolsonaro precisam estar juntos neste momento", informou o PDT de São Paulo, partido do presidenciável Ciro Gomes

Mirella Araújo
Mirella Araújo
Publicado em 08/09/2021 às 17:50
Notícia
RODOLFO LOEPERT/DIVULGAÇÃO
O ex-ministro Ciro Gomes não descartou sua participação nos atos convocados para o dia 12 de setembro - FOTO: RODOLFO LOEPERT/DIVULGAÇÃO
Leitura:

As manifestações convocadas pelos movimentos MBL, Vem Pra Rua e Livres, a favor impeachment do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), deverão contar com a participação de representantes dos partidos de esquerda como o PDT, PCdoB e o Psol. Os atos estão programados para ocorrer no próximo domingo (12) em diversas cidades do país. 

Nas redes sociais, o coordenador nacional do Movimento Brasil Livre, Renan Santos, tem pedido para que pessoas do espectro político da esquerda e da direita, participem das manifestações. "O ato do dia 12 é apenas e tão somente pelo impeachment e pela defesa da democracia. Não é palanque de terceira via ou de candidatura para 22. Todo mundo é bem vindo", publicou Renan. 

 O PDT, partido do presidenciável Ciro Gomes, já se posicionou a favor das manifestações deste domingo. “É hora de unirmos forças da esquerda à direita pelo impeachment desse presidente tirano e incompetente. Todos aqueles que realmente querem a saída de Bolsonaro precisam estar juntos neste momento, sem cálculos eleitorais para 2022 e sem sectarismos oportunistas”, informou o presidente do diretório do PDT de São Paulo, Antonio Neto, segundo informações do site O Antagonista

Apesar de não ter confirmado presença, Ciro Gomes não descartou sua participação no protesto programado pelo MBL. "Eu vou participar de todo e qualquer movimento, qualquer que seja a convocatória, que tenha por premissa a defesa da democracia, das liberdades, do Estado de Direito, do ambiente de paz e de reconciliação do Brasil para colocar um fim nessa escalada de ódio e de golpe", declarou o presidenciável, em entrevista ao portal UOL.

 

 

Até o momento, o Partido dos Trabalhadores (PT) não confirmou se irá aderir aos protestos anti-Bolsonaro organizado pelo Movimento Brasil Livre. Já os deputados federais Orlando Silva (PCdoB-SP) e a deputada estadual Isa Penna (Psol-SP), confirmaram à Folha de S. Paulo, que estarão presentes na manifestação.

Ainda na noite dessa terça-feira (7), um grupo de lideranças partidárias do centro e da esquerda, se reuniram para fazer um balanço sobre as manifestações realizadas no Dia da Independência do Brasil. Segundo as informações, confirmadas pelo O Antagonista, após avaliarem as falas do presidente da República, os partidos viram a necessidade de estarem unidos para fazer pressão pelo impeachment de Bolsonaro.

 


Comentários

Últimas notícias