EXCLUSÃO

Facebook, Instagram e YouTube derrubam live na qual Bolsonaro mentiu ao associar a vacina contra covid à aids

Presidente infringiu a política das plataformas em relação à vacina anticovid

Estadão Conteúdo Marcelo Aprígio
Estadão Conteúdo
Marcelo Aprígio
Publicado em 25/10/2021 às 7:05
REPRODUÇÃO/YOUTUBE
Em live na quinta-feira (21), o presidente afirmou que pessoas que tomaram duas doses da vacina contra covid-19, no Reino Unido, estão desenvolvendo aids - FOTO: REPRODUÇÃO/YOUTUBE
Leitura:

Atualizada às 21h21

O Facebook e o Instagram derrubaram nesse domingo (24) a live do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) feita na última quinta-feira (21). Na transmissão, o chefe do Executivo disse que pessoas que tomaram duas doses da vacina contra o novo coronavírus no Reino Unido estão desenvolvendo aids. A afirmação, que é mentirosa, foi desmentida por cientistas de todo o mundo. O YouTube também removeu o conteúdo.

Segundo o Facebook, o motivo para a exclusão foram as políticas da empresa relacionadas à vacina da covid-19.

"O Facebook está apoiando o trabalho da comunidade global de saúde pública para manter as pessoas seguras e informadas durante esta crise. Nosso objetivo é garantir que todos tenham acesso a informações precisas, removendo conteúdo prejudicial e apoiando pesquisadores de saúde com dados e ferramentas", diz mensagem na página da companhia sobre a atuação da gigante da tecnologia durante a pandemia.

 

Na live, Bolsonaro chegou a reconhecer a possibilidade de ter sua transmissão cancelada pelas redes sociais. "Relatórios oficiais do governo do Reino Unido sugerem que os totalmente vacinados estão desenvolvendo a síndrome de imunodeficiência adquirida muito mais rápido do que o previsto", disse o presidente, já desmentido por especialistas em saúde. "Não vou ler para vocês a matéria porque posso ter problema com a minha live, não quero que caia", acrescentou.

Médicos reforçaram que a associação entre o imunizante contra o coronavírus e a transmissão do HIV, o vírus da aids, é falsa e inexistente.

Fake news sobre aids e vacina é antiga

A fake news que relaciona vacinas com o desenvolvimento da aids já era conhecida, tanto que a Organização Mundial de Saúde (OMS) reforçou a importância de portadores de HIV serem imunizados contra a covid-19. Como mostrou o Estadão, a propagação da mentira no momento em que o Brasil atinge mais da metade de sua população com a vacinação completa gerou revolta e críticas entre cientistas e políticos.

Por meio de nota, o Comitê de HIV/aids da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) afirmou que não se conhece nenhuma relação entre qualquer vacina contra a covid-19 e o desenvolvimento de síndrome da imunodeficiência adquirida, e repudiou "toda e qualquer notícia falsa que circule e faça menção a esta associação inexistente". O comitê da SBI também reforçou que pessoas que vivem com HIV/aids devem ser completamente vacinadas para a doença, e destacou que a dose de reforço (terceira dose) é indicada para quem recebeu a segunda dose há mais de 28 dias.

A assessoria da Presidência da República foi procurada por e-mail para comentar o episódio, mas não se manifestou até a publicação desta matéria. O espaço segue aberto.

Publicações excluídas

Esta foi a primeira vez que a empresa removeu uma live semanal de Bolsonaro. Apesar de o presidente reiteradamente espalhar desinformação em suas lives, as demais não foram excluídas pelo Facebook.

Antes, a companhia apenas tinha derrubado um post de Bolsonaro relacionado à pandemia: um vídeo de março de 2020 em que ele citava o uso de cloroquina para o tratamento da doença e defendia o fim do isolamento social.

Comentários

Últimas notícias