BRASIL

Suspeito de corrupção, Milton Ribeiro receberá do governo salário de R$ 26 mil pelos próximos 6 meses

Ribeiro foi incluído na chamada "quarentena" do serviço público, que autoriza o pagamento de "remuneração compensatória" àqueles que exerceram altos cargos no governo

Katarina Moraes
Cadastrado por
Katarina Moraes
Publicado em 24/06/2022 às 8:37 | Atualizado em 24/06/2022 às 9:20
Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil
Ex-ministro da Educação Milton Ribeiro foi preso na Operação Acesso Pago - FOTO: Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil
Leitura:
Com informações da Estadão Conteúdo
O ex-ministro do governo Jair Bolsonaro (PL) Milton Ribeiro, preso na última quarta-feira, 22, receberá da União pelos próximos seis meses o equivalente a cerca de R$ 26 mil. A remuneração foi autorizada no final do mês passado pela Comissão de Ética Pública da Presidência, que considerou haver "conflito de interesses após o exercício de cargo" no Executivo federal.

Ribeiro foi incluído na chamada "quarentena" do serviço público, que autoriza o pagamento de "remuneração compensatória" àqueles que exerceram altos cargos no governo. A justificativa para esse "auxílio desemprego" por seis meses é o fato de figuras públicas de destaque, como ministros, terem tido acesso a informações privilegiadas que podem ser usadas por esses ex-servidores em seus novos cargos na iniciativa privada.
A Comissão de Ética Pública da Presidência define como informação privilegiada "a que diz respeito a assuntos sigilosos ou aquela relevante ao processo de decisão no âmbito do Poder Executivo Federal que tenha repercussão econômica ou financeira e que não seja de amplo conhecimento público". O processo de Milton Ribeiro foi concluído no dia 31 de maio. O nome do ex-ministro consta com a tarja com "com conflito".
 
Suspeito de coordenar um "gabinete paralelo" de pastores no Ministério da Educação, Milton Ribeiro havia sido preso por ordem da 15ª Vara Federal Criminal do Distrito Federal, mas foi solto nesta quarta-feira, 23, por ordem do desembargador federal Ney Bello, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região. O ex-ministro da Educação foi alvo da Operação Acesso Pago, da Polícia Federal (PF), que cumpriu mandados de prisão e busca e apreensão contra os acusados de instalar o "gabinete paralelo" no MEC.

Últimas notícias