Em newsletter, Petrobras diz que custos excedentes da refinaria são por causa do solo e chuvas

Blog de Jamildo
Cadastrado por
Blog de Jamildo
Publicado em 24/08/2009 às 12:50
Leitura:

Veja a newsletter da estatal:

Petrobras Informa - segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Tipo de solo e chuvas são desafios para obras da refinaria de Pernambuco

A refinaria de Pernambuco irá processar 230 mil barris de petróleo por dia a partir de 2011. Os estudos para a escolha do local levaram em consideração a proximidade do Complexo de Suape e infraestrutura portuária existente. Um dos grandes desafios para sua construção, na fase de terraplanagem, é o tipo de solo da região. Parte dele é expansivo, ou seja, com grande variação de volume e mobilidade, por isso mais difícil de se trabalhar. Somente após o início da obra verificou-se que a quantidade era maior que a prevista.

A Petrobras, então, reviu as técnicas utilizadas, buscando otimizar custos. Ainda assim, houve impacto no valor inicial. Soma-se a isso fatores como estação de chuvas e especificidades para implantação de uma refinaria. No entanto, o Tribunal de Contas da União (TCU) utilizou em sua auditoria os mesmos parâmetros usados para a construção de estradas.

São critérios que a Petrobras entende que não se aplicam à terraplanagem de uma refinaria, obra muito mais complexa e com especificidades muito diferentes das de uma rodovia. Esses parâmetros requerem adaptações. A Petrobras reafirma que não houve sobrepreço ou superfaturamento nas obras e já encaminhou documentos ao TCU que contestam a acusação.

A Petrobras também esclarece que nunca houve obstrução à fiscalização ou sonegação de documentos como noticiado. Todas as informações eventualmente não fornecidas se referiam a licitações ainda em andamento. Como não havia definição da melhor proposta, não foi possível atender a solicitação dos auditores no momento em que as solicitações foram feitas.

Obras seguem critérios internacionais

Os custos da obras estão de acordo com critérios internacionais. Segundo a The Association for the Advancement of Cost Engeneering (AACEI), que é referência mundial em estimativas de custos de projetos de engenharia, os custos para obras de terraplanagem podem variar de -15% a +20% em relação ao inicialmente projetado. Ou seja, a variação dos custos da obra de terraplanagem está dentro da faixa aceita internacionalmente.

Últimas notícias