corrida eleitoral

Pesquisa XP/Ipespe diz que Bolsonaro perderia no 2º turno para qualquer dos adversários

Pela primeira vez, presidente é ultrapassado por todos os seis nomes testados num hipotético segundo turno contra ele: Lula, Ciro Gomes, Sérgio Moro, Mandetta , João Doria e Eduardo Leite

JAMILDO MELO
JAMILDO MELO
Publicado em 17/08/2021 às 15:29
MARCOS CORRÊA/PR
Presidente Jair Bolsonaro - FOTO: MARCOS CORRÊA/PR
Leitura:

O sociólogo Antônio Lavareda, responsável pela produção da pesquisa da XP Investimentos, destacou para o Blog de Jamildo alguns dos principais pontos do mais novo levantamento do Ipespe.

Em um deles, Lavareda destaca que o avanço das atitudes negativas em relação ao atual governo e ao presidente Bolsonaro leva a que, pela primeira vez, seja ultrapassado por todos os seis nomes testados num hipotético segundo turno contra ele: Lula, Ciro Gomes, Sérgio Moro, Mandetta , João Doria e Eduardo Leite.

"Como já comentei várias vezes, faltando tanto tempo para uma eleição na qual o incumbente é candidato, a avaliação do governo, a aprovação do presidente, a avaliação da economia, e nessa conjuntura também a avaliação do governo em relação à pandemia, são variáveis mais relevantes para nos ajudar a conjecturar o que poderá ocorrer ano que vem do que as “ intenções de voto” , sobretudo as “estimuladas”, com listas de possíveis candidatos que carregam grande desigualdade no seu nível de conhecimento pelo eleitorado", pondera o sociólogo.


AUMENTA A CHANCE DE UMA TERCEIRA VIA ?

"A eventual consolidação do cenário apontado acima - com a constatação de que Bolsonaro não teria condições de impedir nas urnas a retomada do poder pelo PT, seja com o ex- presidente Lula, seja com outro nome do partido apoiado por ele - poderá acelerar a coordenação de uma alternativa capaz de representar o centro - direita com maiores chances de vitória. O que levaria a um esvaziamento ainda maior do apoio a Bolsonaro no campo eleitoral e/ou até ao reembaralhamento pragmático das cartas no campo da política", explica o especialista.


AVALIAÇÃO DO GOVERNO BOLSONARO SEGUE EM QUEDA.

Embora a interrupção no recesso do funcionamento da CPI da Covid, a maior velocidade da vacinação contra a Covid e o bom desempenho do Brasil na Olimpíada de Tóquio tenham diminuído o volume do noticiário negativo, o mau humor da opinião pública face ao governo não diminuiu. Ao contrário, sua avaliação positiva (O/B) recuou para 23% ( era 25% em julho) e a negativa ( R/P) avançou de 52% para 54%.

No mesmo período, a aprovação do presidente caiu de 31% para 29%, mantendo-se a desaprovação em 63%. É a avaliação mais baixa e a primeira vez que a aprovação é inferior a 30% desde o início das medições desse mandato.

Comentários

Últimas notícias