DISPUTA

Eleição na OAB-PE divide apoio da esquerda entre candidaturas

Entenda o que pesou para grupos declararem apoio às chapas que concorrem pelo comando da OAB-PE

Augusto Tenório
Augusto Tenório
Publicado em 31/10/2021 às 12:20
INSTAGRAM @ROBEYONCELIMA
CO-DEPUTADA Robeyoncé Lima (PSOL) apoia a chapa da situação, que tem Ingrid Zanella como vice - FOTO: INSTAGRAM @ROBEYONCELIMA
Leitura:

Encontra-se dividida — não em guerra, importante observar — a Esquerda, enquanto espectro político amplo, com relação à eleição da OAB-PE. De um lado, lideranças do PSOL, concentradas nas figuras das vereadoras Robeyoncé Lima e Dani Portela, apoiam a candidatura de Fernando Ribeiro Lins (Advocacia Mais Unida). Do outro, a vereadora Liana Cirne (PT) trabalha pela vitória de Almir Reis (Renova OAB).

Liana Cirne e a chapa Renova OAB

Em conversa com o Blog, Liana Cirne mostrou suas dúvidas com relação às promessas da chapa Advocacia Mais Unida relacionadas às pautas progressistas e populares, considerando insuficiente apenas a ocupação de espaços simbólicos de poder. A vereadora adotou postura pragmática para decidir pelo seu apoio à chapa Renova OAB.

"A gestão que está no poder, embora faça gestos, são apenas movimentos simbólicos e performáticos. Não há de fato um compromisso da OAB enquanto instituição em salvaguardar a advocacia em defesa dos vulneráveis. Ela intervém apenas para reforçar privilégios das grandes bancas de advocacia que atuam contra os direitos que defendo", contou a vereadora.

Nos bastidores, interlocutores contam que há ressentimento entre alguns advogados progressistas por causa do posicionamento de Ronnie Duarte em 2016, quando era presidente da OAB-PE, a favor do processo de impeachment de Dilma Rousseff (PT). Além disso, reclama-se do de um "acanhamento" da gestão diante das investidas da Operação Lava Jato contra advogados.

Almir/OAB
Liana Cirne Lins, vereadora do Recife (PT), declara voto na oposição - Almir/OAB

De olho em 2022, prevendo uma tempestade antidemocrática, Liana considerou crucial uma indicação de um dos três conselheiros pernambucanos no Conselho Federal, onde cada estado vota em bloco. Nesse sentido, foi garantido à professora Flávia Santiago uma das cadeiras caso a chapa de Almir Reis vença. A jurista é classificada por Liana como "uma pessoa técnica, que tem posições firmes em defesa do estado democrático de direito".

O apoio do PT à candidatura de Almir Reis, porém, não é amplo, pois alguns integrantes do partido apoiam a candidatura de Fernando e Ingrid. Apesar da diferença com os colegas de esquerda, Liana pondera: "uma vez que não há chapa 'de esquerda' pra disputar a OAB, é estratégico que a advocacia progressista e popular se faça presente nas duas chapas, até porque a OAB precisa representar os interesses que nós defendemos com qualquer resultado eleitoral".

Robeyoncé, Dani Portela e a Advocacia Mais Unida

As vereadoras Robeyoncé e Dani Portela, ambas do PSOL, se posicionaram publicamente a favor da chapa Advocacia Mais Unida. A primeira o fez assinando um documento da Frente da Advocacia Progressista de Pernambuco, enquanto a segunda publicou um artigo neste Blog, 

À reportagem, Robeyoncé conta que o apoio à chapa de Fernando Ribeiro foi uma decisão coletiva do Quilombo de Juristas, uma articulação de advogados e advogadas negras que pautam e pleiteiam a questão racial dentro da Ordem.

Instagram @robeyoncelima
Ingrid Zanella e Robeyoncé - Instagram @robeyoncelima

"A gente, em reuniões com Bruno Baptista e Ingrid, em dialogo com a chapa, decidimos coletivamente apoiar a chapa da situação. Foi a chapa que mais contemplou a gente e termos de proposta de inserção da questão racial dentro da configuração da própria chapa", explica Robeyoncé.

Ela cita que, por exemplo, Manoela Alves foi foi colocada como secretária adjunta na proposta de chapa de situação. Outro fator que pesou pelo apoio de Robeyoncé, porém, foi a questão dos banheiros e identidade de gênero na OAB.

Recentemente, repercutiu nas redes a decisão da OAB de permitir o uso dos banheiros de acordo com identidade de gênero. O assunto chegou a repercutir na Assembleia Legislativa de Pernambuco.

"Algumas pessoas ligadas à chapa da oposição se manifestaram contrárias à decisão do presidente, indo de encontro inclusive às decisões do STF que garantem a utilização do banheiro de acordo com a identidade de gênero. (...) É uma realidade de muitos advogados e advogadas conservadores, que ainda questionam a utilização do banheiro feminino por transexuais ou travestis", diz a vereadora, que integra o mandato coletivo Juntas.

Já Dani Portela, em artigo publicado nesta sexta, conta que esteve na inauguração do comitê da chapa Advocacia mais Unida, onde encontrou colegas de lutas sociais, da Advocacia Progressista, defensores e defensoras de direitos humanos, pessoas da Comissão da Igualdade Racial, da Comissão da Advocacia Popular, da Comissão da Diversidade Sexual e de Gênero.

"Um momento aqueceu meu coração. Um grupo liderado por juristas negras, que participou da Elaboração do Plano Nacional de Ações Afirmativas da Advocacia Negra, se juntou para ecoar a nossa voz, para nos aquilombar numa advocacia negra e mais unida", conta.

Dessa forma, ela apoia a "continuidade da gestão de Bruno Baptista, que abriu as portas da OAB-PE e não hesitou quando teve que se posicionar em defesa das prerrogativas e da democracia".

Comentários

Últimas notícias