CARTAS PARA SUZY

Após reportagem do Fantástico, detenta Suzy recebeu 234 cartas, 16 livros, duas bíblias, maquiagens, chocolate, envelopes e canetas

Na entrevista que concedeu ao médico Drauzio Varella, detenta trans disse que está sem receber visitas há oito anos

Thalis Araújo
Thalis Araújo
Publicado em 07/03/2020 às 21:04
Notícia
REPRODUÇÃO/TV GLOBO
A reportagem de Drauzio Varella foi ao ar no último domingo (1º), no 'Fantástico' - REPRODUÇÃO/TV GLOBO
Leitura:

Com informações do G1

A detenta trans Suzy Oliveira recebeu 234 cartas até à última sexta-feira (06), depois de uma reportagem do médico Drauzio Varella que foi exibida no último domingo (01), no programa ‘Fantástico’, da TV Globo. Varella mostrou a vida das mulheres trans nos presídios e a Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) divulgou, a pedidos, o endereço para que a detenta recebesse as cartas.

>> Após repercussão sobre crime de Suzy nas redes, Drauzio Varella diz que "não pergunta a pacientes o que eles fizeram de errado"

>> Cartas para Suzy: após revelar que está há oito anos sem visita, detenta trans recebe correspondências

Além das 234 cartas, Suzy Oliveira recebeu 16 livros, duas bíblias, maquiagens, chocolate, envelopes e canetas. Segundo a SAP, alguns dos envelopes continham várias outras cartas que partiram, inclusive, de grupos religiosos.

As cartas têm remetentes de vários estados brasileiros. Só de São Paulo, Suzy recebeu cartas da capital, Guarulhos, Birigui, Taubaté, Americana, Pirapozinho, Mogi das Cruzes, Paulo de Faria e Tabatinga. Os outros estados que mandaram cartas para Suzy, além do Distrito Federal, foram: Bahia (Salvador e Itabuna); Pernambuco (Recife), Santa Catarina (Joinvile), Espírito Santo (Vitória) e Rio de Janeiro (RJ).

Na entrevista que deu a Drauzio Varella, Suzy disse que não recebe visitas há, pelo menos, oito anos. A detenta também falou sobre a dura rotina que vive no cárcere. “Na cadeia, você é obrigada a se prostituir por uma pasta de dente, um sabonete, um prato de comida”, explicou.

Depois que a reportagem foi ao ar, o nome do médico Drauzio Varella ficou nos trending topics do Twitter.

Apenas nos presídios paulistas, existem cerca de 700 mulheres trans. Uma pesquisa que foi realizada pelo Governo Federal e publicada no começo do mês sobre a realidade da população LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais) no sistema carcerário brasileiro mostra que travestis e transexuais sofrem cotidianamente as violências emocionais, físicas e sexuais, assim como práticas de tortura pela sua condição de gênero, nas prisões masculinas.

Qual o endereço para mandar cartas para Suzy?

Tem interesse em mandar alguma carta ou lembrança para Suzy Oliveira? Pois bem, o JC tira essa dúvida. A Penitenciária I José Parada Neto fica na Rua Benedito Climérico de Santana, 600, na Várzea do Palácio. O CEP é o 07034-080 e a cidade é Guarulhos (SP). Na hora de preencher o destinatário, lembre de colocar o nome dela completo, que é Suzy de Oliveira Santos.

País que mais mata transexuais

Segundo a Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) o Brasil é o país que mais mata travestir e transexuais em todo o mundo. De acordo com um dossiê da instituição, 124 pessoas trans foram assassinadas em 2019. O México, que está em segundo lugar no ranking global, reportou metade do número de homicídios.

Comentários

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias