SAÚDE

Ministério da Saúde vai chamar cubanos do Mais Médicos para trabalhar na pandemia do coronavírus

O chamado se estenderá para estudantes de medicina a partir do sexto ano e médicos aposentados

Katarina Moraes
Katarina Moraes
Publicado em 16/03/2020 às 10:18
Notícia
KARINA ZAMBRANA/ASCOM/MS
O Programa Médicos Cubanos foi suspenso em 2018, após recusarem mudanças propostas por Jair Bolsonaro - FOTO: KARINA ZAMBRANA/ASCOM/MS
Leitura:

Os médicos cubanos que trabalhavam no programa Mais Médicos serão chamados pelo Ministério da Saúde para ajudar no controle da pandemia do novo coronavírus. A informação foi dada pelo secretário-executivo da pasta, João Gabbardo, nesse domingo (15) durante entrevista. O gestor ainda afirmou que o chamado se estenderá para estudantes de medicina a partir do sexto ano e médicos aposentados.

» Coronavírus: nutricionista explica como melhorar a imunidade

» Coronavírus: saiba o que é um caso suspeito

» Saiba quais são os seus direitos e deveres trabalhistas em tempos de coronavírus

» Saiba como a China conseguiu diminuir o avanço do coronavírus

Segundo Gabbardo, a medida objetiva ajudar a repor parte da mão de obra perdida durante o expediente, já que os médicos também ficam doentes. No último balanço, divulgado na noite desse domingo (15) pelo Ministério da Saúde, consta 200 casos oficiais de Covid-19 no Brasil.

"A preocupação com o médico é muito importante porque ele é muito atingido com o coronavírus. Na Itália aconteceu isso, 40% da força médica e de enfermagem a gente perde no transcorrer da doença, porque eles ficam doentes. Mesmo que os sintomas deles sejam leves, eles têm que ser isolados para não ficar transmitindo a doença para os seus pacientes", disse.

"Esses cinco mil médicos que vão ser chamados irão para a atenção básica de todo o país. E vamos fazer mais do que isso: nós vamos chamar a partir de amanhã (hoje, 16), todos os médicos cubanos que estavam trabalhando no programa inicial. Eles vão ser chamados. Assim como estudantes de medicina a partir do sexto ano e um chamado para médicos aposentados. Com certeza mais de cinco mil médicos", afirmou.

Comentários

Últimas notícias