Animal

Lei que proíbe cachorros de latir é aprovada por vereadores em Santa Catarina

Donos que não impedirem seus cachorros de latirem poderão pagar multa de até R$ 23 mil

Douglas Hacknen
Douglas Hacknen
Publicado em 27/08/2020 às 19:33
Notícia

Foto: EZEQUIEL BECERRA / AFP
FOTO: Foto: EZEQUIEL BECERRA / AFP
Leitura:

Os animais não têm tido vida fácil em algumas cidades de Santa Catarina, no Sul do Brasil. Depois de a cidade de Curitibanos começar a multar moradores que estavam alimentando animais de rua, desta vez, o município de Penha, no litoral do estado, proibiu os cachorros de latirem. A multa para os donos pode chegar a R$ 23 mil. A lei considera infração “provocar ou não impedir barulho de animal”. A aprovação ocorreu no último dia 17 de agosto.

>> Pessoas que alimentarem animais de rua podem ser multadas em cidade de Santa Catarina

>> Lei que prevê multa para quem alimentar animais de rua, em Santa Catarina, pode ser revista; entenda a polêmica

Aprovada por unanimidade pela Câmara do Municipal, a proposta foi apresentada pelo vereador Everaldo Dal Posso (PL) e recebeu parecer favorável da procuradoria jurídica do Legislativo. Também passou pela Comissão de Constituição, Justiça e Redação antes de ir para votação no plenário da Casa.

Não foi questionado pelos vereadores como seriam estabelecidos os limites para o latido, ou como o dono deveria impedir que o animal fizesse barulho. A lei também regula a perturbação ao sossego e penaliza, além dos animais, “gritaria e algazarra”, “profissão ruidosa”, ou abuso de “instrumentos sonoros ou sinais acústicos”, como os alarmes. 

A multa estabelecida foi de R$ 23 mil para os infratores. Caso seja cometida por uma empresa, a autuação dobraria de valor.

A medida causou revolta nos moradores do município. Mesmo após votar favorável, alguns vereadores disseram, nos bastidores, que só votaram a favor do projeto porque não leram direito do que se tratava, informou o portal Noticias de Santa Catarina (NSC). Mesmo assim, o projeto seguiu para sanção do prefeito Aquiles da Costa (MDB), que vetou a proposta. O veto foi enviado de volta para a Câmara e deve ser lido em plenário na próxima sessão, segunda-feira (31).

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias