vacina

Médico é preso sob acusação de vender atestados falsos para vacinação da covid

A Polícia Civil apreendeu atestados já preenchidos com comorbidades, restando preencher o nome do comprador.

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 27/05/2021 às 21:20
Notícia
TÂNIA RÊGO/AGÊNCIA BRASIL
Em termos proporcionais, o Mato Grosso do Sul e o Rio Grande do Sul são os Estados que mais vacinaram a população até aqui - FOTO: TÂNIA RÊGO/AGÊNCIA BRASIL
Leitura:
Dois homens - um deles, médico regularmente registrado no Estado do Rio de Janeiro - foram presos nesta quinta-feira (27) em uma clínica em Pilares (zona norte do Rio) acusados de vender por R$ 20 atestados médicos com informações falsas para comprovar alguma comorbidade e permitir que o comprador fure a fila e tome vacina contra a covid-19. A Polícia Civil apreendeu atestados já preenchidos com comorbidades (hipertensão arterial, por exemplo), restando preencher o nome do comprador.
O médico Augusto Guedes de Carvalho Filho e Sergio Mendes Izidoro foram detidos na Clínica Médica e Odontológica Pilares, na Avenida João Ribeiro, por policiais civis da Delegacia de Defraudações. Eles foram conduzidos à delegacia, na Cidade da Polícia, no Jacarezinho (zona norte). Segundo a polícia, Izidoro é o dono da clínica. Por enquanto só estão sendo vacinadas determinadas categorias profissionais, pela maior exposição ao coronavírus, e pessoas com doenças elencadas pelo Ministério da Saúde, por terem a saúde mais frágil.
O Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio afirmou, em nota, que "tomou conhecimento do fato e está apurando o caso." A venda de atestado médico com informações falsas pode gerar punição de até um ano de prisão, além de multa.
 

Últimas notícias