coronavírus

Quem pode tomar a terceira dose ou reforço da vacina contra a Covid? O que são os imunossuprimidos?

Nesta quarta-feira (25) o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, confirmou que o Brasil irá aplicar dose de reforço, mas que nem todas as pessoas receberá o imunizante

Bruna Oliveira Vanessa Moura
Cadastrado por
Bruna Oliveira
Vanessa Moura
Publicado em 25/08/2021 às 16:53
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
De acordo com o chefe da pasta, o reforço começará a partir do dia 15 de setembro - FOTO: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Leitura:

Após o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, confirmar, nesta quarta-feira (25) que o Brasil irá aplicar dose de reforço da vacina contra a covid-19, mas que nem todos receberão o imunizante, dúvidas surgiram em volta do tema. Afinal, quem poderá tomar a terceira dose ou reforço e o que são imunossuprimidos (grupo citado pelo ministro)?

De acordo com o chefe da pasta, o reforço começará a partir do dia 15 de setembro. A princípio, apenas idosos acima de 70 anos e imunossuprimidos poderão receber a terceira dose por enquanto. O intervalo entre a segunda dose e a terceira precisa ser de, no mínimo, seis meses para os idosos, e de 21 dias para os imunossuprimidos. O imunizante utilizado para aplicação desta terceira dose será, exclusivamente, o da Pfizer.

“Em função sobretudo da Delta e da necessidade de aumentar a proteção da população, estávamos tratando de reforço de dose. E esse reforço será direcionado primeiro àqueles indivíduos [...] que são imunossuprimidos. Desde que tenham tomado a última dose de vacina depois de 21 dias, nós vamos aplicar um reforço e a vacina será a vacina da Pfizer. O outro grupo são os idosos, acima de 70 anos. Inicialmente, vamos aplicar também uma dose da vacina da Pfizer para aqueles que tomaram a última dose há seis meses”, explicou o ministro.

A decisão de começar a imunizar uma parcela da população com a terceira dose foi tomada, segundo revelou o ministro, por conta da disseminação da variante Delta no País.

Pesquisas preliminares já têm sido capazes de mostrar que a primeira dose das vacinas tem eficácia reduzida e não consegue evitar boa parte das infecções desta variante. A proteção, no entanto, 'cresce' após uma segunda dose. A terceira dose seria uma forma de aumentar o nível de segurança da imunização.

Se o restante da população receberá ou não uma terceira dose, ainda é uma pergunta não respondida. Segundo o ministro, esta decisão só poderá ser tomada depois da conclusão de um estudo que o Ministério da Saúde está fazendo em parceria com universidades.

O que são imunossuprimidos?

O sistema imunológico é responsável por proteger o ser humano de vírus, bactérias e outros agentes que tentam entrar em seus corpos. No entanto, algumas pessoas essa proteção pode não funcionar perfeitamente. Com isso, elas são consideradas imunossuprimidas.

Essas pessoas podem nascer com uma falha no sistema imunológico em decorrência de doenças congênitas ou podem adquirir imunodeficiências secundárias, como os pacientes com HIV, pessoas em tratamento de câncer ou quem passou por um transplante e necessita dos imunossupressores pelo resto da vida.

A imunossupressão é dividida em graus, que pode ser ser leve, moderado e grave, a depender do paciente.

Comentários

Últimas notícias