RECICLAGEM

Catadores de lixo ganham bicicleta especial para ajudar na reciclagem

Cem catadores de lixo de 20 municípios do Estado serão beneficiados com a ciclolix, bicicleta de alumínio, leve, com capacidade para carregar meia tonelada de resíduos

Do JC Online
Do JC Online
Publicado em 03/12/2014 às 18:40
Foto: Bobby Fabisak
Cem catadores de lixo de 20 municípios do Estado serão beneficiados com a ciclolix, bicicleta de alumínio, leve, com capacidade para carregar meia tonelada de resíduos - FOTO: Foto: Bobby Fabisak
Leitura:

A partir do próximo dia 14, a vida de cem catadores de lixo de 20 municípios do Estado começará a mudar. Eles receberão do Serviço Social da Indústria (Sesi) as ciciclolixes, bicicletas de alumínio equipadas com uma carroça (com capacidade para meia tonelada de resíduos) e amassador de latinhas, e também camisas com proteção UV, chapéus e luvas. Os beneficiados vão integrar um sistema de incentivo à reciclagem, em que o catador vai ser chamado para recolher o lixo por meio de um aplicativo no celular, chamado aplicativolix, que entra em funcionamento no dia 15.

Por meio do aplicativo, o usuário também vai poder identificar os pontos de coleta mais próximos. O participante conta ainda com o Arvorelix, ferramenta interativa em que check-ins de coleta seletiva vão se transformando no crescimento de uma árvore; quando estiver completa, a Secretaria do Meio Ambiente do Estado vai plantar uma árvore de verdade.

O objetivo do projeto é trazer dignidade ao catador, que trabalha puxando carroça sob o sol quente. A idealizadora da ação, Lina Rosa, explica que a medida vai ajudar na reciclagem. “As pessoas não reciclam o lixo porque não sabem como fazer. Com o aplicativo, vamos democratizar a informação, além de trazer dignidade ao trabalhador envolvido no processo”, afirma. 

Um dos beneficiados, Edoaldo Souza, 59 anos, vibrou ao ver a bicicleta, apresentada ontem no Parque 13 de Maio, área central do Recife. Ele trabalha na Zona Sul, das 16h até 1h, puxando carroça à procura de resíduos que podem ser reciclados. Ele relata que o trabalho é muito duro e cansativo. 

“A minha vida vai ficar mais fácil, pois vou poder fazer mais viagens. Com a carroça, eu enfrento o trânsito e me canso depressa, porque levo muito peso. Agora, vou poder fazer mais viagens. Fico muito feliz com o projeto, pois estamos sendo ouvidos, nunca fizeram isso antes”, afirma o catador. 

Leia mais na edição do JC desta quinta-feira (4)


O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias